Análise: Maus presságios

Comando da Secretaria de Segurança Pública repetiu, em 2014, os erros e os acertos dos últimos 20 anos

Guaracy Mingardi , Doutor em Ciência Política pela USP e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública

26 Dezembro 2014 | 03h00

O comando da Segurança Pública paulista perdeu mais uma chance de melhorar o sistema em 2014. Repetiu os erros e os acertos dos que ocuparam a secretaria nos últimos 20 anos, sem notar o óbvio, que a criminalidade profissional evolui rápido e que as polícias também têm de se atualizar, sob pena de perder o controle da situação.

Qualquer análise das estatísticas criminais mostra o crescimento do crime profissional. Os roubos, por exemplo, subiram mês a mês por um ano e meio. Já a leitura dos casos policiais revela o aumento da audácia dos ladrões e o imput no armamento usado por eles. Até poucos anos atrás, o uso de fuzis estava restrito aos traficantes cariocas. Agora já surgem armas pesadas também em São Paulo, principalmente nos crimes de grandes roubos.

O tráfico, por sua vez, vai bem, obrigado. Dia após dia, o Primeiro Comando da Capital amplia seu domínio sob as “biqueiras”. Em 2014 já controla a maior parte do tráfico de crack na Grande São Paulo. O prognóstico, portanto, não é nada favorável. Aumento de roubos, PCC fortalecido e armamento pesado são um péssimo sinal. 

A cúpula da Segurança mudou. Vamos ver se o novo grupo resolve inovar ou continua fazendo mais do mesmo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.