Análise: despojado, Bergoglio viu de perto os efeitos do neoliberalismo

'Outro traço importante lhe vem da sensibilidade e proximidade com os pobres e simples', diz padre

Padre João Batista Libânio,

22 de julho de 2013 | 02h04

Pisa o solo brasileiro o primeiro papa da história da Igreja oriundo da América Latina e pertencente à ordem dos jesuítas. Apesar de o seu padre-geral ser chamado de "papa negro", porque teria a importância e o poder de um papa, mas usa batina preta, nunca um jesuíta assumiu tal cargo ao longo dos quase 500 anos de existência da Ordem. Que significa isso para a Igreja? O fato de ele ser latino-americano é de mais relevância, sobretudo, porque viveu, nas últimas décadas na Argentina, experiências que o prepararam para ver a Igreja e o mundo sob luz diferente dos papas europeus.

Seu país gozava, até a entrada violenta do neoliberalismo, de ampla camada média, mas, nos últimos anos, sofreu sério empobrecimento. O papa Francisco conheceu de perto tal situação e sentiu suas consequências. Agora, tem mais condições de perceber, no mundo, a presença injusta e nefasta do neoliberalismo.

Alguns traços da tradição jesuíta o habilitaram para o cargo. A espiritualidade inaciana desenvolve nas pessoas a capacidade de discernimento, ao reagir diante dos fatos de maneira equilibrada e ponderada sem condenações precipitadas. Espera-se, portanto, que os teólogos disponham de maior liberdade de expressão e de opinião no coro diversificado das posições.

Outro traço importante lhe vem da sensibilidade e proximidade com os pobres e simples, por força da marca espiritual do seguimento de Jesus histórico. Não se entrega facilmente aos arroubos espiritualistas do momento atual. Prefere o traço da sobriedade e simplicidade no teor de vida e no relacionamento com as pessoas. E tal comportamento fascina os jovens. Eles identificam-se com o agir despojado e próximo do papa, que os incentivará, certamente, à vida de maior entrega e compromisso. Faltam-lhes exemplos que estimulem e abram espaço de esperança no meio da fragmentação dos grandes valores e ideais.

O papa Francisco significa, com a visita ao Brasil, motivo de animação para pôr a juventude em movimento para metas maiores e elevadas.

* É JESUÍTA, ESCRITOR E PROFESSOR DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO NO DEPARTAMENTO DE TEOLOGIA DA FACULDADE JESUÍTA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA (FAJE)

Tudo o que sabemos sobre:
papapapa Francisco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.