Karl Stanzel/Conseg
Karl Stanzel/Conseg

Análise: De Braços Abertos é avanço, mas falta avaliação externa

Ao se falar das ações desenvolvidas na região da Cracolândia, primeiro é preciso dizer que a ideia de um programa que ataca a fragilidade social dos dependentes é interessante

Arthur Guerra, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2016 | 03h00

SÃO PAULO - Ao se falar das ações desenvolvidas na região da Cracolândia, primeiro é preciso dizer que a ideia de um programa que ataca a fragilidade social dos dependentes é interessante. Só o fato de o programa De Braços Abertos ainda existir, quase três anos depois de ter sido lançado, é uma vitória. 

Mas as ações sociais desenvolvidas ali têm de estar conectadas às ações de saúde, que são executadas pelo governo do Estado, no programa Recomeço, para dar atendimento clínico e oferecer vagas de internação. E isso não acontece. É como um time de futebol em que um jogador não conversa com o outro - e ambos, vale dizer, bem intencionados, querendo fazer gol.

Não há exemplo no mundo de programa que tenha tido resultado positivo no combate ao crack, e isso é outro fator a favor do De Braços Abertos, que é muito sério. Mas a avaliação que se tem do programa é feita por eles próprios, pelos técnicos da Prefeitura. Penso que uma avaliação externa, que também acompanhasse os pacientes, poderia ser bastante positiva. Não estamos falando de uma taxa de sucesso de 20%, 30%. Se fosse um só, já seria um avanço. 

Também são sérias as ações do governo do Estado no atendimento médico aos dependentes. Mas a falta de flexibilização tanto das equipes da Prefeitura quanto do governo do Estado para atuar na região faz com que o combate à dependência não seja completo. Não dá para o paciente ficar lá. Nessa ‘inflexibilização’ mútua, quem acaba sofrendo, obviamente, são os pacientes.

ARTHUR GUERRA É PRESIDENTE DO CENTRO DE ESTUDOS SOBRE SAÚDE E ÁLCOOL (CISA)

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULOCracolândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.