ANÁLISE: cobrança por solução é oposta à resposta policial

Uma investigação não deve descartar nenhuma possibilidade. Em todo caso há uma situação mais provável. Mas também existe a menos provável. E quantos não têm uma conclusão absolutamente inusitada?

Christiano Jorge Santos,

14 de agosto de 2013 | 02h10

Neste caso particular, há uma agravante. É complicado imputar uma acusação a um adolescente que morreu e depois dizer que não foi ele.

Às vezes, a cobrança pela solução de um caso é diametralmente oposta à resposta que a polícia pode dar. A imprensa quer dar a notícia: "Quem matou?". A resposta da polícia poderia ser: "Vamos apontar o suspeito no fim das investigações". Esse comportamento, cada vez menos visto, é o mais adequado.

* É PROMOTOR DE JUSTIÇA E PROFESSOR DE PROCESSO PENAL E DIREITO PENAL DA PUC-SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.