NELSON ANTOINE/FRAMEPHOTO
NELSON ANTOINE/FRAMEPHOTO

Análise: A condução dos sem-teto é política

'A pressão dever ser mais dura a partir de agora. Basta saber se o prefeito eleito vai flertar com os movimentos'

Rui Tavares Maluf*, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2016 | 03h00

Está certo que a eleição em São Paulo está resolvida há quase um mês, mas a escolha da data para a promoção das ocupações ontem, um dia após o fim das disputas pelo País, não pode ser coincidência. Não é segredo que os movimentos que lutam por moradia têm uma relação mais próxima com a esquerda e mesmo com o PT, o grande derrotado anteontem. A condução dos sem-teto é política e a pressão faz parte da estratégia. 

Até o prefeito Fernando Haddad, mais em sintonia com as demandas sociais, enfrentou dificuldades e recebeu recados até ceder aos movimentos durante o processo de aprovação do Plano Diretor (em 2014, dezenas de sem-teto ocuparam o prédio da Câmara Municipal para exigir a demarcação de terras para produção de moradia popular).

Durante o atual governo, os sem-teto chegaram a participar de outros movimentos, como os protestos contra a alta na tarifa de ônibus. E Haddad tentou resistir. Imagine quem é visto como antagonista, caso provável de Doria? A pressão dever ser mais dura a partir de agora. Basta saber se o prefeito eleito vai flertar com os movimentos, como faz o governador Geraldo Alckmin. 

* É CIENTISTA POLÍTICO

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.