Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Amor ao Rio vai parar em tattoos

Estampar os cartões-postais da cidade na pele vira moda entre cariocas; fotógrafa prepara livro com imagens e histórias de moradores e turistas

HELOISA ARUTH STURM, O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2013 | 02h03

RIO - O amor pelo Rio está na pele. São cariocas, turistas e moradores que adotaram a cidade e demonstram sua paixão por tatuagens da Cidade Maravilhosa. Antenada nessa tendência vista em ruas e praias, a fotógrafa Julia Assis decidiu reunir fotos de diferentes personagens com suas tatuagens de cartões-postais do Rio. A ideia é transformar o projeto em livro e publicá-lo até o fim do ano.

"Tatuar um símbolo carioca representa a necessidade de querer que a cidade esteja tanto em você quanto você está nela", escreve Julia na apresentação da futura publicação. Tudo começou quando ela foi morar em São Paulo, em 2011. Tatuou o Morro Dois Irmãos, em Ipanema, sua paisagem preferida. "Queria marcar que sou carioca e comecei a pensar se tinha mais gente com tatuagens do Rio e quais as histórias por trás delas." Após morar um ano em Perdizes, na zona oeste, ela voltou para o Rio, desenhou os Arcos da Lapa no braço e começou sua busca. O projeto que teve início no boca a boca e pelo Facebook agora tem um site (www.rioeutatuo.com.br) e muitos interessados em mostrar suas tattoos. Julia está reunindo 200 imagens.

Entre os já clicados está João Pedro Hachiya, de 25 anos. Em 2010, ele tatuou no bíceps as palmeiras imperiais do Jardim Botânico para homenagear o avô, que treinava tai chi chuan no parque e sempre o levava para passear ali com os primos. "Nesse caminhozinho cheio de palmeiras, ele falava que a gente pegava energia boa toda vez que abraçava uma árvore. Então ficávamos correndo e abraçando todas as árvores. Era uma hora só pra fazer esse caminho", lembra.

Hachiya tem outra tatuagem sobre o Rio em andamento: uma montagem de imagens da Lapa, do Cristo Redentor e do Pão de Açúcar. O projeto de acrescentar o bondinho de Santa Teresa está temporariamente suspenso, porque o tatuador parou de trabalhar. "Agora estou nesse dilema, porque não queria fazer com outro artista."

A baiana Nega Teresa, que mora no Rio há 16 anos e vende acarajés nas ruas de Santa Teresa, tem nas costas o Morro dos Prazeres - segundo ela, o lugar que a acolheu melhor na vida. A paulista Letícia Labati fez Pão de Açúcar para comemorar dez anos vivendo no Rio. Sua primeira tatuagem homenageando a cidade - uma dançarina de fita - foi feita logo que chegou. "Ela disse que conheceu o samba de verdade no Rio, então o carnaval para ela era aqui", diz Julia. A relações públicas carioca Louise Martins morou 4 anos em São Paulo e resolveu exaltar as duas cidades: tatuou mosaicos portugueses das calçadas cariocas e paulistanas - um em cada braço.

Julia também fotografou as amigas Nina Franco e Andrea Belaviqua na Urca. Com outras duas amigas - atualmente no exterior -, elas decidiram homenagear o Rio antes de deixar o Brasil. O traçado de diferentes paisagens da cidade começa no braço de uma e continua na perna da outra. Julia agora espera as outras integrantes do quarteto retornarem ao País para fotografá-las. Para ajudar a finalizar o projeto, está em busca de patrocínio. Mais do que tatuagens bonitas, ela procura boas histórias. "Não estou só procurando tatuagens com traçado superlindo. Estou procurando aquelas em que a ideia seja muito boa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.