Americanos vão avaliar se pagarão recompensa à PF

Departamento de Estado dos EUA oferecia recompensa de até US$ 5 milhões pela prisão de Juan Abadía

Patrícia Campos Mello e Vannildo Mendes, do Estadão,

08 de agosto de 2007 | 08h15

O governo americano ainda vai analisar as circunstâncias que levaram à prisão do traficante Juan Carlos Ramirez Abadía, para determinar se a polícia brasileira merece receber a recompensa. O Departamento de Estado americano estava oferecendo uma recompensa de até US$ 5 milhões pela captura do criminoso, que foi preso por policias federais às 3 horas de terça-feira, 7, em sua casa em um condomínio de luxo, na Aldeia da Serra, na Grande São Paulo.   Traficante tem fortuna avaliada em R$ 3,4 bi Traficante colombiano está no Brasil há 3 anos Imagens da operação que prendeu Abadia Conheça os mais famosos criminosos que escolheram o Brasil como refúgio    "Da forma em que o programa de recompensas funciona, indivíduos precisam ser indicados para o prêmio e a indicação é avaliada posteriormente por um comitê, para verificar se uma recompensa seria justificada", disse, na terça, Tom Casey, porta-voz adjunto do Departamento de Estado.   "Como a prisão acabou de ocorrer, ainda não fizemos nenhuma recomendação; mas nós vamos examinar as circunstâncias da captura para verificar se algum indivíduo ou grupo deve ser indicado para a recompensa." Autoridades americanas vão verificar se a prisão resultou de um esforço de inteligência dos EUA também, caso em que não haveria recompensa, ou de mérito exclusivo da polícia brasileira.   A PF não vai reivindicar o prêmio. "Não somos caçadores de recompensa, cumprimos nossa obrigação por dever de ofício", disse o delegado Getúlio Bezerra, diretor de Combate ao Crime Organizado. "Mas se eles, num gesto de boa vontade, quiserem mandar o dinheiro, ele será bem empregado no combate ao crime organizado." De modo geral, segundo Bezerra, recompensas desse tipo são pagas em caso de delação particular.

Tudo o que sabemos sobre:
tráfico de drogasAbadía

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.