Ameaça surpreende lojistas e frequentadores

Consumidores reclamam de transtornos causados pela medida, enquanto funcionários temem perder emprego

O Estado de S.Paulo

25 Julho 2012 | 03h02

A opinião dos frequentadores do Shopping Frei Caneca se divide sobre a ameaça de fechamento do centro de compras. Alguns têm o local como extensão da própria casa e outros esperam apenas que a lei seja cumprida.

"Se eu não pagar meu IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), a Prefeitura não vem e toma minha casa? Com o dono do shopping tem de ser a mesma coisa", disse o supervisor de qualidade Carlos Tavares, de 31 anos.

Para a corretora de imóveis Janete Sousa, de 48 anos, que mora na região, o fechamento do shopping vai causar um transtorno. "Venho aqui quase todo dia, principalmente ao mercado. Também uso a lavanderia, a sapataria e o cinema", disse.

Para o consultor de vendas David Santos, de 29 anos, que frequenta o local até quatro vezes por semana, cinema, teatro e praça de alimentação serão as principais perdas de seu dia a dia. "O triste é que muitas pessoas vão ter o emprego ameaçado. E muitas delas dependem de comissão das vendas", disse Santos.

Uma gerente de loja, de 27 anos, que não quis se identificar, disse que causou espanto o anúncio da Prefeitura. "O dono da loja, que frequenta as reuniões com a direção do shopping, nunca falou nada sobre essa dívida nem sobre a ameaça de fechamento. Vai ser terrível." Ela disse temer pelos empregos dos funcionários. / DENIZE GUEDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.