Ambulante mata colega na frente de faculdade

Os dois disputavam ponto de venda e já haviam brigado antes; estudante foi baleado

FABIANO NUNES, O Estado de S.Paulo

16 Março 2012 | 03h01

Uma disputa entre ambulantes por um ponto de venda na frente da Uninove na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, terminou com um deles morto, na noite de quarta-feira. Um estudante de Engenharia Civil, de 19 anos, foi atingido no braço por uma bala perdida e está internado. O suspeito do crime, que já foi identificado, continuava foragido ontem. Durante o tiroteio houve pânico entre os alunos que saíam para o intervalo, às 21h.

O ambulante Jarbas Cavalcante Souza, de 44 anos, morreu após ser atingido por quatro disparos. Ele estava na frente de uma casa que é usada como depósito de mercadoria pelos ambulantes, na Avenida Dr. Adolpho Pinto. Souza estava acompanhado de seu filho, que o ajudava a vender cachorro-quente em um trailer, montado dentro de uma Kombi.

De acordo com o relato de seguranças da Uninove, Souza havia brigado, na manhã de quarta-feira, com o outro ambulante na frente do campus. "A briga foi bem violenta. Souza veio com uma chave de roda e atingiu o outro com um golpe no pescoço", afirmou um dos seguranças da universidade, que pediu para não ser identificado.

Segundo testemunhas, os dois ambulantes disputavam um ponto para venda de batatas fritas. "Souza já vendia cachorro-quente e pretendia instalar um carrinho de batatas fritas. O outro ambulante achou que era uma concorrência desleal e eles entraram em conflito", explicou um vendedor que trabalha no local e que também não quis ser identificado.

De acordo com os seguranças da Uninove, durante a briga, um dos ambulantes chegou a correr para dentro da universidade. "A gente teve de separá-los. Mas à noite o cara que foi agredido voltou para se vingar."

De acordo com o irmão da vítima, Pedro Arthur Cavalcante Souza, o assassino premeditou o crime. "Eles brigaram de manhã e ele voltou à noite armado. Meu irmão era nervoso, eu dizia para não entrar em confusão. Ele deu uns tapas no outro e a briga foi parar na porta da universidade, quando os seguranças separaram os dois."

Pânico. Com o tiroteio, muitos alunos correram para dentro da faculdade e houve tumulto.

"Só ouvi os tiros e depois teve muita gritaria. Os alunos pularam a catraca para fugir dos disparos", disse o pizzaiolo Carlos Inácio da Silva, de 32 anos, que trabalha na praça de alimentação da universidade.

O ambulante baleado foi levado para o Pronto-Socorro da Barra Funda, onde morreu.

Até a noite de ontem, o autor do disparo não havia sido detido. "Muitas pessoas viram o crime e ele foi identificado. Isso deve ajudar na captura. Agora vamos ouvir mais testemunhas", disse o delegado Marco Aurélio Batista, do 23.º DP (Perdizes), onde o caso é investigado.

Até a noite de ontem, a direção da Uninove não havia comentado o crime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.