Ambulante espancado e morto no Metrô será enterrado nesta tarde

Primos identificados em vídeo de segurança como os agressores continuam foragidos; prisão foi decretada na segunda-feira à noite

O Estado de S. Paulo

27 Dezembro 2016 | 15h39

SÃO PAULO - O ambulante Luiz Carlos Ruas, de 54 anos, que foi espancado e morto por dois homens após defender uma travesti na Estação Pedro 2º do Metrô, será enterrado às 16h30 desta terça-feira (27) no Cemitério Vale da Paz, em Diadema, na Região Metropolitana de São Paulo.

Ricardo do Nascimento Martins, de 21 anos, e Alípio Rogério Belo dos Santos, de 26 anos, que foram identificados pelo polícia como os agressores e tiveram a prisão temporária decretada pela Justiça, continuam foragidos. A expectativa é de que eles se entreguem ainda hoje. 

Mais cedo, um pequeno grupo de pessoas fez um ato na estação de metrô, localizada no centro de São Paulo, contra a morte do ambulante.

Segundo informações da Polícia Civil, a vítima vendia salgados e refrigerantes do lado de fora da estação da linha 3-Vermelha quando viu os dois homens agredindo uma transexual e tentou defendê-la. A partir daí, passou a ser alvo de socos dos agressores. Ruas ainda tentou correr em direção à bilheteria da estação, mas foi perseguido pelos agressores, que continuaram a atingi-lo com vários golpes.

Responsável pelo Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas (Decade), o delegado Osvaldo Nico Gonçalves afirmou ainda nesta segunda-feira (26) que Santos e Martins são primos e foram identificados nas imagens de câmeras de segurança da estação pelos próprios familiares. Um deles já tinha histórico de agressão, segundo a polícia.

Ainda de acordo com Gonçalves, os dois suspeitos moram na Aclimação e haviam saído para beber após um deles passar por uma “desilusão amorosa”, nas palavras do delegado.

“Foi um crime chocante. A vítima estava vendendo biscoitos para conseguir pagar o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), segundo me contou a mulher dele. Foi defender um travesti que estava sendo agredido e acabou pagando com a própria vida”, disse o delegado.

Mais conteúdo sobre:
Metrô Justiça Polícia Civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.