Alunos põem supercola em cadeira de professora em Campinas

Cola de secagem rápida provocou ferimentos nas pernas da docente da escola da rede estadual de ensino

Rose Mary de Souza, especial para o Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2008 | 16h06

Três alunos com idade entre 12 a 15 anos de uma escola pública em Campinas puseram supercola de secagem rápida na cadeira da professora. Ao se sentar ela teve contato com o produto e sofreu queimaduras nas pernas. O caso aconteceu durante o intervalo das aulas da 5ª série da Escola Estadual Reverendo Eliseu Narciso, periferia da cidade na tarde da última sexta feira.  A professora, de 28 anos, leciona artes e foi levada ao pronto-socorro do posto de saúde do bairro para fazer curativos e passa bem. A lesão foi causada assim que a cola penetrou entre o tecido jeans chegando até a pele causando o ferimento. Segundo funcionários, a direção da escola chegou até aos acusados após pedir que os colegas escrevessem seus nomes em um papel. Dos três apontados pela classe, apenas um garoto de 12 anos confessou a participação na brincadeira. Os alunos e seus pais serão ouvidos pelo juizado da Vara de Infância e Juventude. O conselho de pais e mestres da escola vai convocar uma reunião nós próximos dias para decidir uma punição que pode ser uma advertência até a transferência.

Tudo o que sabemos sobre:
EscolaCampinassupercola

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.