'Alunos caíram das esteiras'

O bancário Rafael Gomes, de 23 anos, estava na academia, que fica em um prédio na Avenida Treze de Maio. "Eram mais ou menos 20h20, eu estava fazendo exercício e tinha algumas pessoas correndo na esteira na minha frente, quando escutei a explosão e senti um tremor muito forte, uma vibração de uns sete segundos, como um terremoto. As pessoas caíram das esteiras. Foi um barulho absurdo e não sabíamos se era fogo, explosão de gás. Dez segundos depois subiu uma poeira. Ficou tudo cinza."

O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2012 | 03h01

O Theatro Municipal também ficou coberto de poeira e concreto, até mesmo os seguranças, funcionários, conta Rafael. Ele correu para fora da academia para checar: "Saí e vi a rua coberta de cinza, um cheiro de concreto muito forte. As pessoas correndo na rua, dizendo que os prédios estavam estalando que podia cair mais". / F.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.