Aluno que atropelou colegas em frente à faculdade na zona oeste de SP não tinha CNH

Ao volante de um Gol, Leonardo dos Santos, de 25 anos, quase foi linchado pelas testemunhas, que depredaram o carro do rapaz após o veículo bater contra um poste

Ricardo Valota e Marcela Gonsalves, do estadão.com.br,

08 Outubro 2011 | 03h16

SÃO PAULO - Um estudante do campus Memorial da Universidade Nove de Julho (Uninove), localizado na Rua Doutor Adolpho Pinto, região da Barra Funda, zona oeste de São Paulo, teve o carro depredado e quase foi linchado por colegas de faculdade ao atropelar várias pessoas em frente ao estabelecimento de ensino, por volta das 22h45 desta sexta-feira, 7, momento em que muitas pessoas deixavam o prédio e outras se aglomeravam na rua em frente aos barzinhos.

 

Segundo os policiais, o jovem não tinha carteira de habilitação e apresentava sinais de embriaguez. Por orientação do advogado, Leonardo não prestou depoimento nem fez exame de bafômetro, mas foi encaminhado ao IML a pedido da polícia para realizar exames de dosagem alcoólica e de corpo delito. O rapaz foi encaminhado ao 7º DP e autuado em flagrante por embriaguez ao volante, dirigir sem habilitação e tentativa de homicídio.

 

Ao volante de um Gol vermelho, Leonardo dos Santos, de 25 anos, que também havia acabado de deixar o prédio, segundo o tenente Eduardo Santos, do 23º Batalhão, atropelou primeiramente algumas pessoas. Ao perceber que seria agredido, acelerou e, na esquina com a Avenida Francisco Matarazzo, atingiu mais dois estudantes, um rapaz de 30 anos e uma jovem de 20. As vítimas, com ferimentos moderados, foram encaminhadas para o Hospital São Camilo, na Pompeia, e para a Santa Casa de Misericórdia. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, no total três pessoas foram encaminhadas para hospitais após os acidentes, mas liberadas logo depois.

 

Leonardo não conseguiu fugir pois bateu o carro contra um poste após o segundo atropelamento. Um colega, ao ver que dezenas de pessoas já corriam para linchá-lo, ajudou o motorista a descer do carro, puxando-o pelo braço, e o colocou dentro de uma agência do Banco do Brasil. Revoltadas, as testemunhas quebraram as portas de vidro da agência. Policiais militares do 23º Batalhão chegaram ao local e evitaram o espancamento.

 

Após a perícia no local, o carro foi entregue aos familiares de Leonardo. Segundo o rapaz, ele teve objetos que estavam dentro do veículo furtados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.