Aluno da ESPM é morto em assalto

Rapaz esperava casal de amigos na Vila Mariana quando foi abordado por ladrão; ele foi baleado na cabeça depois de entregar o carro

Camilla Haddad e Silvia Song, O Estado de S.Paulo

05 Março 2011 | 00h00

O universitário Nicholas Marins Prado, de 20 anos, esperava dois amigos para viajar no carnaval quando foi assassinado com um tiro na cabeça, ontem, em um assalto na frente de um prédio na Rua França Pinto, na Vila Mariana, zona sul. A vítima teve seu carro, um Hyundai i30, levado pelo criminoso. O veículo era um presente recente da família.

A reportagem apurou que desde 1.º de janeiro oito veículos foram roubados nessa rua. Prado foi levado ao pronto-socorro do Hospital Vergueiro, mas morreu após quatro horas de cirurgia. Ele cursava o segundo semestre de Publicidade na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Em luto, a unidade suspendeu as aulas ontem.

Segundo investigadores do 36.º Distrito Policial (Paraíso), eram 5h10 quando Prado estacionou seu i30 prata na rua. Ele esperava um casal de amigos guardar o carro em que estava na garagem para, então, seguirem viagem para o Rio. O universitário ficou esperando de pé, do lado de fora de seu i30, quando um homem armado se aproximou e exigiu a chave do carro. O estudante obedeceu.

Quando o assaltante seguiu para o banco do motorista, Prado colocou parte do corpo para dentro do veículo e tentou pegar algum objeto. Nesse momento, foi baleado no lado esquerdo da cabeça. O criminoso fugiu enquanto um dos porteiros do edifício chamava a PM e o casal de amigos tentava socorrer o rapaz.

Toda a ação, que levou aproximadamente dois minutos, foi gravada por uma das câmeras de segurança de um prédio vizinho. Uma das testemunhas do crime, um homem de 47 anos, disse em depoimento que o ladrão media 1,65 de altura e usava uma jaqueta com um gorro, o que dificulta sua identificação. A testemunha contou que os amigos saíam sempre juntos e não era a primeira vez que o casal deixava o carro na garagem para depois seguir no veículo de Prado.

Faculdade. Prado era natural de Lorena (SP), mas vivia em Aparecida, no Vale do Paraíba, onde mora sua família, até vir para São Paulo estudar. Durante a semana, morava em um apartamento na Rua Joaquim Távora, montado para ele pela mãe, e voltava para Aparecida no fim de semana. Por meio de nota, a ESPM lamentou a morte do estudante e disse que e está tomando todas as medidas possíveis para auxiliar a família do rapaz neste momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.