Aliados de Haddad tentam aprovar hoje aumento de IPTU na Câmara

Haddad conta com apoio apertado para aprovar, em segunda votação, o projeto que eleva o imposto

Adriana Ferraz,

29 de outubro de 2013 | 15h39

A base aliada do prefeito Fernando Haddad (PT) na Câmara Municipal vai colocar hoje, em segunda votação, o aumento do IPTU em São Paulo. O governo conta com apoio apertado para aprovação do projeto que eleva o imposto em no máximo 20% para residências e 35% para o comércio e indústria em geral no próximo ano - o contribuinte paulistano também pagará aumento em 2015 e 2016. 

Haddad espera contar com até 30 votos para aprovar a proposta (necessita de 28 votos favoráveis). Na conta do governo, os votos virão de: PT, DEM, PTB, PMDB, PP, PROS, PCdoB, PRB, PHS e PV, que conta agora com Ricardo Teixeira, que deixou a Secretaria do Verde e Meio Ambiente após o Estado revelar decisão judicial que o impede de seguir no cargo.

Em reunião no início da tarde, a bancada do PSD, partido do ex-prefeito Gilberto Kassab, rachou. Pelo menos três vereadores que votaram pelo aumento na semana passada prometem votar contra. São eles: Coronel Camilo, Marta Costa e Edir Salles.  Marco Aurélio Cunha, José Pólice Neto e David Soares, todos da sigla, já foram contrários à alta. Com a mudança, o governo tenta segurar os votos de Goulart e Souza Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.