Edson Lopes Jr/A2 FOTOGRAFIA
Edson Lopes Jr/A2 FOTOGRAFIA

Alexandre de Moraes foi titular da Justiça e chefe da Febem

Alckmin anunciou que advogado substituirá Fernando Grella na Secretaria da Segurança Pública de São Paulo

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

18 Dezembro 2014 | 03h00

SÃO PAULO - Depois de atuar por 11 anos como promotor de Justiça, depois de se graduar em Direito na Faculdade do Largo São Francisco, Alexandre de Moraes entrou na vida política em 2002, aceitando convite do governo do Estado para a Secretaria de Justiça. Lá, passou a chefiar a Fundação para o Bem-Estar do Menor (Febem) em seu período mais crítico, entre 2004 e 2005, quando o lugar era cenário de fugas e rebeliões constantes.

No fim de 2005, foi nomeado pelo presidente Lula para a primeira turma do Conselho Nacional de Justiça e deixou o governo do Estado. Voltou a São Paulo em 2007, para trabalhar na Prefeitura: ao receber amplos poderes de Gilberto Kassab (PSD), chefiou toda a área de transporte da cidade e a secretaria de serviços, com volumosos contratos de varrição e coleta de lixo.

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

Nos bastidores, as informações sobre sua saída da Prefeitura variaram desde atritos relacionados aos contratos de lixo à discordância em relação ao então prefeito, que deixou o DEM para fundar o PSD. Fora do setor público, o novo secretário atuava como advogado. Defendeu o empresário Rodrigo Garcia, do DEM paulistano e ex-aliado de Kassab, no processo em que ele é citado por ligação nos cartéis do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) - Garcia foi secretário de Desenvolvimento Econômico de Alckmin.


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.