Luiz Fernando Toledo/Estadão
Luiz Fernando Toledo/Estadão

Alemães são detidos sob acusação de roubar estátua de exposição

Peça 'Jogador de Futebol - Bicicleta' era exibida no terminal 3 do aeroporto de Guarulhos. Dupla será levada para um CDP

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

14 Julho 2014 | 17h58

Atualizada às 19h33

SÃO PAULO - Dois alemães foram detidos na tarde desta segunda-feira, 14, no Aeroporto Internacional de Guarulhos, depois de furtar uma estátua de bronze com valor estimado em R$ 25 mil de uma exposição no saguão do terminal 3. A dupla será encaminhada a um Centro de Detenção Provisória.

O mecânico Beck Heiko, de 39 anos, e o vendedor Kramm Rainer, de 48, foram identificados por câmeras e abordados por seguranças quando bebiam cerveja em um restaurante no terminal 2, três horas depois do furto. Eles não sabiam o valor da peça e teriam cometido o furto "pela emoção", segundo relataram aos policiais. Keiko e Rainer estão no Brasil desde junho para acompanhar os jogos do Mundial. Vieram do Rio para São Paulo depois da final do mundial, no domingo, e retornariam nesta segunda à Alemanha.

O item Jogador de Futebol - Bicicleta, criado pelo artista ítalo-brasileiro Inos Corradin, estava dentro de um cubo de acrílico na exposição Bate-Bola, um Embarque de uma Paixão, sobre a Copa do Mundo. A ausência da obra foi notada por uma curadora, que avisou à polícia. 

Vestindo camisas da seleção alemã, Heiko e Rainer removeram a estrutura de acrílico, aproveitando-se do baixo movimento no novo terminal, que só opera desembarques, por volta das 9h20. Eles haviam chegado ao aeroporto às 8h. Não havia nenhum tipo de fechadura que guardasse a obra de arte, que estava em seu último dia de exibição.

Depois de retirar a estátua e inseri-la em uma mala, fizeram check-in e despacharam a bagagem para um avião da empresa Lufthansa, que partiria às 16h para Munique. A polícia conseguiu recuperar o objeto a tempo. Segundo a assessoria do aeroporto, não houve atraso no voo. 

"Acharam que o Brasil é uma terra sem lei", disse o delegado divisionário da Delegacia Especializada em Atendimento ao Turista (Deatur), Osvaldo Nico Gonçalves, que atendeu a ocorrência. A identificação, segundo ele, foi difícil por causa da grande quantidade de turistas com características físicas semelhantes às da dupla, como cabelos claros e camisa da seleção alemã. 

A dupla afirmou a uma intérprete, que atuou com a Polícia Civil, que queria "levar uma lembrança do Brasil".  Eles tentaram pagar fiança para sair. No entanto, de acordo com o delegado, a possibilidade não existe. "Eles vão cumprir a pena aqui no Brasil", disse.

Mais conteúdo sobre:
Estátua de bronze

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.