Alckmin vai negociar reajuste do Bom Prato a partir de outubro

Segundo gestores, não há recurso para administrar restaurantes por mais três meses e unidades devem ser devolvidas ao governo

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2016 | 19h08

SÃO PAULO - Em meio à crise financeira que atinge unidades do Bom Prato, programa estadual que oferece refeições a R$ 1, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), admitiu que há necessidade de reajustar o subsídio para entidades responsáveis por administrar os restaurantes, mas disse que vai esperar até outubro para negociar o aumento. "Demos reajuste de 10%, não faz nem um ano ainda, então vamos esperar chegar outubro", afirmou nesta quarta-feira, 4. Gestores da rede, no entanto, afirmam que não há recurso para gerir os restaurantes por mais três meses e que algumas entidades serão obrigadas a devolver a administração para o governo.

Em abril, os gestores entregaram à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social uma carta-manifesto com cerca de 20 assinaturas, em que afirmam estar à beira de um "colapso financeiro" e oferecendo "alimentação de qualidade inferior ao padrão" por falta de recurso, conforme revelou o Estado. Segundo o documento, os valores atuais de repasse de R$ 3,81 por almoço e de R$ 1,03 por café da manhã os obrigariam a encerrar as atividades "em um curto período de tempo".

Para corrigir a defasagem de preços, as entidades sugerem que o subsídio passe para R$ 5,47 (almoço) e R$ 1,31 (café da manhã) ou que o governo aumente R$ 1 nas duas refeições para os consumidores. "É obvio que, para alguns alimentos, o aumento foi impressionante. Se você pegar o feijão carioca, chegou a quase 100%, então claro que há necessidade (de reajuste). Nós vamos avaliar, mas não neste momento", afirmou Alckmin. A justificativa para adiar a negociação é que a última vez em que o subsídio subiu foi em novembro de 2015.

O governador também vê um aumento na demanda como uma das causa para o desequilíbrio financeiro de algumas entidades. "O número de refeições cresceu. A gente paga por refeição, mas claro que aperta mais também", disse.

Para os gestores, porém, "não adianta dar aumento que não é condizente com a necessidade". "No ano passado, houve reajuste de R$ 0,31 no almoço", disse um representante das entidades, que preferiu não se identificar. "Nós não temos dissídio coletivo, data-base, nada disso." De acordo com a carta enderaçada ao governo, a defasagem acumulada desde 2006 é de 34,15% no custo do almoço e de 17,99% no café da manhã.

"Se os preços começarem a aumentar, com certeza vai ter unidade devolvendo o restaurante nesse período", afirmou o gestor. Segundo as entidades, um dos restaurantes em pior situação financeira é o do Tucuruvi, na zona norte da capital, que deve desistir do programa caso não haja aumento no repasse.

Atualmente, há 51 unidades do Bom Prato no Estado, destinadas a pessoas de baixa renda, com almoço a R$ 1 e café da manhã por R$ 0,50. Elas são administradas por 41 entidades, que arrecadam o dinheiro dos consumidores e o subsídio do governo, por meio de contrato. Os 83 mil pratos vendidos diariamente custam aos cofres públicos cerca de R$ 283,5 mil - ou aproximadamente R$ 74 milhões por ano, considerando apenas os dias úteis.

Ao Estado, o secretário de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, disse que não há risco de o serviço ser interrompido e negou queda na qualidade das refeições. "Caso alguma entidade queira entregar a unidade, precisa avisar com 60 dias de antecedência. Então, nós buscamos outra parceira para assumir", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.