Alckmin quer punir PMs que xingaram homens baleados

Governador afirma que é difícil não haver nenhum caso de desvio de conduta entre policiais

Wladimir Andrade, Agência Estado

26 de agosto de 2011 | 14h02

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, classificou de ato criminoso a conduta dos policiais militares que aparecem em um vídeo insultando e ameaçando dois homens baleados que tentaram assaltar uma metalúrgica. De acordo com Alckmin, as imagens são de 2008, mas a corporação investiga se o vídeo já era de conhecimento dos policiais. Ele disse que quer os culpados "rigorosamente punidos". "Esse vídeo mostra um ato criminoso e estamos verificando o caso", afirmou o governador em entrevista coletiva, após anunciar a redução dos índices de mortalidade de crianças no Estado, no Hospital Infantil Cândido Fontoura, na zona leste da capital paulista.

Alckmin disse ser difícil não haver nenhum desvio de conduta entre policiais, considerando que cerca de 140 mil pessoas fazem parte da Polícia Militar, da Policia Civil e da Polícia Científica em São Paulo. Ele defendeu punições mais rápidas aos culpados e maior rigor no ingresso de servidores na força policial por meio dos concursos públicos. "O problema é a demora na punição, e precisamos também de maior rigor no ingresso dos policiais".

Além do anúncio da redução nos índices de mortalidade de crianças no Estado, o governador minimizou também o aumento no número de homicídios dolosos verificados nos meses de junho e julho no Estado e descartou a possibilidade de os índices voltarem aos patamares acima de 10 casos por cem mil habitantes, mínimo aceito pela Organização Mundial de Saúde (OMS). "O Brasil tem um índice de 25 homicídios por cem mil habitantes e São Paulo, pouco menos de dez. E vamos continuar abaixo de dez", afirmou Alckmin. O aumento desse tipo de crime foi de 4,05% em junho e de 20,1% em julho, em relação aos mesmos meses de 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.