Alckmin: não se pode fazer 'campanha' contra SP

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse ontem que "não se pode fazer uma campanha contra São Paulo". Ele demonstrou inconformismo com as notícias sobre a onda de violência no Estado. O governador disse que São Paulo tem os menores índices de homicídio do País. "O Estado tem tamanho de país. Aqui é maior que Argentina. A Região Metropolitana é a terceira maior metrópole do mundo. Senão, cria-se uma situação muito injusta, quase que uma campanha contra São Paulo. Não é possível fazer isso e ainda criar uma situação de pânico na população."

O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2012 | 02h02

Alckmin elogiou a atuação da polícia na investigação das mortes e comemorou as prisões feitas pelo Deic, além de afirmar que a polícia toda "está mobilizada". "Há prisões importantes de líderes de facção criminosa. Alguns já estão sendo transferidos para presídios federais."

Nas estradas. O governador deu um prazo para que em três ou quatro dias comecem as operações conjuntas com o governo federal que, em sua palavras, vão "asfixiar financeiramente o tráfico". Essas ações serão feitas em 14 pontos estratégicos do Estado escolhidos pelo setor de inteligência das Polícias Civil e Militar. "É contenção para evitar entrada de drogas e armas. Com essas operações, é claro que existe uma reação. O que não pode é a polícia deixar de fazer seu trabalho, por causa das reações", disse. "Sempre você tem enfrentamento, isso é permanente. É uma luta que todo dia tem de se vencer uma batalha." /CAMILA BRUNELLI E NATALY COSTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.