Alckmin não dá certeza se Metrô e CPTM vão aderir ao bilhete único mensal

Governador diz que estuda custos junto à Secretaria de Transportes Metropolitanos e a Prefeitura, que prometeu estrear novidade na capital até dezembro

Artur Rodrigues e Carla Araújo, Especial para o Estado,

31 de outubro de 2013 | 13h56

SÃO PAULO - Um dia após a Prefeitura afirmar que o bilhete único mensal deve entrar em vigor no máximo até o início de dezembro, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou nesta quinta-feira, 31, ainda não dá certeza se o Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) vão aderir ao projeto.

"Despachei com o doutor João Carlos Meireles e pedi para que ele verifique com a Secretaria de Transportes Metropolitanos e a Prefeitura a forma e o custo de fazer essa integração", disse Alckmin, durante evento de lançamento de uma agência de cinema municipal.

Ele afirma está sendo "avaliado" se o Estado poderia aderir já este ano ao projeto que foi promessa de campanha do prefeito Fernando Haddad.

Questionado sobre as críticas feitas à gestão pelo ex-secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, em entrevista ao jornal Valor Econômico, ele disse que o antigo titular da pasta fez "um bom trabalho" e que "hoje estamos num outro tempo". "O secretário Fernando Grella Vieira está em Brasília num encontro com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e nós vamos fazer um grande trabalho conjunto. Rodovias federais o Estado vai apoiar também, além do reforço da Polícia Rodoviária Federal", disse.

Ele também afirmou que investiga a ação de black blocs nas manifestações.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    bilhete único mensalprefeiturametrô

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.