Divulgação
Divulgação

Alckmin inaugura Delegacia da Mulher 24 horas e reforça equipes

Objetivo é garantir que as vítimas de violência doméstica tenham atendimento especializado logo após o crime

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

22 de agosto de 2016 | 22h15

A Polícia Civil inaugurou nesta segunda-feira, 22, a primeira Delegacia de Defesa da Mulher do Estado que vai funcionar 24 horas. O objetivo é garantir que as vítimas de violência doméstica tenham atendimento especializado logo após o crime.

A delegacia fica no centro da capital, na Rua Doutor Bittencourt Rodrigues. Na madrugada, terá uma delegada, dois investigadores e um escrivão para atender as vítimas. Durante o dia, terá o reforço de equipes para investigar os crimes. Ao todo, sete delegadas vão trabalhar na 1.ªDDM.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse que a prioridade será dar o tratamento adequado às vítimas. “Teremos o trabalho de prevenção, investigação e punição, conduzido por policiais especializados”, disse. Ainda neste ano, Campinas deve ganhar a segunda Delegacia da Mulher da cidade, mas que não vai funcionar 24 horas. O Estado tem 132 DDMs - a primeira foi inaugurada em 1985, no centro de São Paulo.

Para o secretário da Segurança Pública, Mágino Alves, a delegacia vai priorizar o bom atendimento à mulher vítima de violência doméstica. “A mulher chega no distrito emocionalmente abalada. É preciso que ela se sinta recepcionada ao ambiente. O termo correto é acolher a vítima.”

Titular. A delegada Giovanna Valenti Clemente tem 22 anos de carreira na Polícia Civil e é a titular da DDM. Ela já passou por vários departamentos da corporação e está, desde abril, na Delegacia da Mulher. “Temos o desafio aqui de atender bem e, principalmente, concluir as investigações. A vítima tem de saber que terá uma resposta da lei. Isso é o que vai garantir a perda do receio de denunciar.”

Segundo o secretário Mágino Alves, a inauguração da DDM 24 horas só foi possível graças às novas delegadas que passaram no último concurso público. Elas receberam treinamento especializado e aulas específicas na Academia de Polícia, como atendimento ao público e direitos humanos.

O Estado tem a menor taxa de homicídios contra mulheres do País, com 2,7 assassinatos por 100 mil habitantes, segundo a pasta da Segurança. No primeiro semestre deste ano, somente a Polícia Civil solicitou 2.420 medidas protetivas para mulheres vítimas de violência. No ano passado, foram 1.617.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.