Alckmin diz que Sabesp está autorizada a resgatar 'volume morto' de represa

Medida utilizará canais e ensacadeira na Represa do Atibainha, no Sistema Cantareira

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

20 Fevereiro 2014 | 16h20

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta quinta-feira, 20, que serão feitos, "imediatamente", investimentos para lidar com a questão do baixo nível do Sistema Cantareira. Entre eles, está o uso de uma ensacadeira e de canais na Represa do Atibainha, que compõe a rede hídrica. As medidas servem para utilizar o chamado "volume morto" dos reservatórios, ou seja, as porções de água mais profundas e que raramente são utilizadas, devido à dificuldade de sua prospecção.

"Nós vamos fazer, imediatamente, esses investimentos, que é, na Represa do Atibainha, uma ensacadeira e canais, e também estamos estudando as bombas de maior profundidade. Não que a gente pretenda utilizar, mas queremos deixar tudo preparado", afirmou o tucano durante evento em Santo André, no ABC.

Alckmin disse que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) está autorizada a usar a ensacadeira e os canais. "Ela vai ver a forma técnica de executá-la, mas já está liberado o recurso. Vai deixar de ser um volume morto, para ser um volume muito vivo."

Nesta quinta-feira, segundo a Sabesp, o nível do Sistema Cantareira, que abastece de água parte da Região Metropolitana de São Paulo, baixou para 17,9%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.