Alckmin diz que PM está à disposição para reforçar segurança na USP

Governador defendeu trabalho de segurança integrado, respeitando autonomia das universidades

Gustavo Uribe, Agência Estado

19 Maio 2011 | 14h15

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) informou nesta quinta-feira, 19, que pediu ao secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, que entre em contato com a reitoria da Universidade de São Paulo (USP) e ofereça auxílio na segurança da área do câmpus na capital. Alckmin ressaltou que as universidades têm autonomia pedagógica, financeira e administrativa, mas defendeu um trabalho de segurança integrado com a Polícia Militar (PM).

Veja também:

linkEstudante é assassinado dentro do estacionameto da FEA-USP

link Para major da PM, não é necessário reforço na segurança da USP

som 'Estadão ESPN': Diretor da FEA defende PM na USP

"Já falei com o secretário da Segurança Pública e ele vai fazer um trabalho em conjunto com a USP", disse, após participar, no Palácio dos Bandeirantes, de evento de entrega de prêmios do Programa Nota Fiscal Paulista. "As universidades, a USP, a Unesp e a Unicamp, têm autonomia universitária", ressaltou, antes de acrescentar. "Requisitada a polícia, ela estará presente."

Alckmin afirmou que a PM pode colaborar com o aumento da segurança na universidade, mesmo que seus homens não entrem no câmpus. "Agora, independente de estar dentro ou não do câmpus, a polícia pode ter um trabalho integrado com a segurança da USP", explicou. "Uma presença sem interferir no funcionamento da universidade. Uma presença policial preventiva."

O governador destacou ainda que uma operação em conjunto pode facilitar o acionamento da Polícia Militar em casos de emergência, como o ocorrido na noite de quarta-feira e que resultou no assassinato do estudante Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos, no estacionamento da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA). "Nesse caso, por exemplo, talvez o portão da universidade rapidamente poderia ter sido fechado", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.