Alckmin diz que o pior da crise da água já passou

Alckmin diz que o pior da crise da água já passou

Para governador, crise hídrica está com os dias contados em razão das providências que estão sendo tomadas pelo Estado

Zuleide de Barros, Especial para O Estado de S. Paulo

06 de novembro de 2014 | 21h30



SANTOS - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta quinta-feira, 6, em Santos, que o período mais crítico da estiagem já passou e a crise hídrica está com os dias contados, em razão das providências que estão sendo tomadas pelo Estado. “Já passamos pelo pior período e nem utilizamos a segunda reserva técnica disponível.” Alckmin reiterou que o esgoto da Grande São Paulo será tratado para a produção de água, a partir de dezembro de 2015, a fim de reduzir a dependência do Sistema Cantareira. Com a medida, serão produzidos 3 mil litros de água por segundo, suficientes para abastecer 900 mil pessoas.

De acordo com o governador, duas Estações de Produção de Água de Reúso (Epar) serão construídas para, primeiramente, tratar o esgoto e, depois, despejar a água na Represa do Guarapiranga e no Rio Cotia. Segundo o governador, o tratamento é bastante seguro e deve proporcionar 99% de pureza da água.

Questionado sobre a possibilidade de reaproveitamento da água do mar, por meio de dessalinização, o governador disse que foi feito um estudo a respeito, que esbarrou nos custos e na complexidade da medida. “É praticamente inviável.”

Temporada. Questionado sobre um eventual desabastecimento de água na Baixada Santista e no litoral, com a chegada dos turistas para as festas de fim de ano e temporada de verão, Alckmin descartou qualquer risco. “A Sabesp investiu em obras de grande porte na região, que vão garantir água para as cidades.”

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
Crise hídrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.