Alckmin diz que não vai mudar cúpula da segurança pública em SP

Governador descartou alterações na pasta e disse que parceria com governo federal está em plena execução

Gustavo Porto, Agência Estado

14 de novembro de 2012 | 13h18

SÃO PAULO - O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou há pouco que não irá fazer alterações na cúpula da secretaria de Segurança Pública em São Paulo, em razão da onda de violência que está ocorrendo na capital paulista. O governador afirmou também, ao sair do evento de abertura da 7ª Olimpíada do Conhecimento, no pavilhão do Anhembi, que a parceria com o governo federal está em plena execução.

Ao falar da parceria, o tucano lembrou que já foi feita a transferência do preso Francisco Antonio Cesário da Silva, o Piauí, para Porto Velho e que os programas em curso estão sendo executados. "O Instituto de Criminalística, por exemplo, já tem os dados para criar um laboratório do DNA das drogas e a agência de atuação integrada já está trabalhando com toda a informação", disse Alckmin.

O governador, no entanto, recusou-se a comentar as declarações do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, proferidas na terça-feira, 13, na capital paulista, de que preferiria morrer a passar muitos anos preso. Alckmin participou junto da presidente Dilma Rousseff da abertura da 7ª Olimpíada do Conhecimento e, em seu rápido discurso, disse que o casamento entre a formação profissional com a educação é essencial para capacitar a mão de obra necessária para a indústria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.