Alckmin diz que meta de roubos não foi atingida por aumento de notificações

Afirmação foi feita em entrevista coletiva nesta sexta-feira, 25, sem que fosse apresentada pesquisa de vitimização que comprove a hipótese

Laura Maia de Castro, O Estado de S. Paulo

25 Abril 2014 | 13h24

Atualizada às 16h

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), atribuiu o fato da meta de roubos não ter sido atingida em alguns distritos policiais da capital ao aumento das notificações online do crime, em forma de boletins de ocorrência eletrônicos no site da Secretaria da Segurança Pública. A informação foi dada em entrevista coletiva em Mogi das Cruzes, na manhã desta sexta-feira, 25, sem que fosse apresentada alguma pesquisa de vitimização que comprove a hipótese de aumento da notificação dos casos.

Levantamento feito pelo Estado publicado nesta sexta-feira, 25, revelou que, já nos dois primeiros meses do ano, 41 dos 93 distritos policiais da cidade de São Paulo ultrapassaram a meta trimestral estipulada para roubos. Os números referentes a março serão divulgados na tarde desta sexta e comentados pelo secretário de Segurança Pública, Fernando Grella

"Nós temos números mais verdadeiros. Antes, você tinha que ir a delegacia para fazer o boletim, o que dá trabalho e perde-se tempo. Hoje você faz de casa, o que aumentou muito o número de B.O. E está correto porque a estatística não é para agradar ou desagradar, ela é uma ciência para você ter planejamento e estabelecer diretrizes para eficiência do trabalho", disse Alckmin.

O governador afirmou acreditar no programa de metas como estratégia para a diminuição dos crimes no Estado e disse que as metas que não foram atingidas neste primeiro trimestre podem ser atingidas em outros. "Não atingiu agora, mas pode atingir mais à frente", disse.

Em relação a meta de crimes contra a vida, que prevê uma redução de latrocínios e homicídios em comparação ao primeiro trimestre de 2013, Alckmin disse que é "ousada".

"Quando você estabelece uma meta para ser atingida, ela pode ser até ousada. Nós não queremos que mantenha e não aumente (crimes contra a vida), nós queremos que reduza. É uma meta ousada. Nós temos um objetivo e um foco"

Mais conteúdo sobre:
Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.