Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Alckmin descarta problema com água nos próximos meses

'Estamos trabalhando firmemente para superar o inverno do ano que vem', declarou o governador paulista

Eduardo Rodrigues, Rafael Moraes Moura e Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

04 Dezembro 2014 | 20h29


BRASÍLIA - Depois de assinar contrato para a execução da obra de abastecimento de água do Sistema Produtor São Lourenço, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), garantiu nesta quinta-feira, 4, que o Estado não terá nenhum problema de crise hídrica nos “próximos meses”.

“Nós não teremos problema nos próximos meses, estamos trabalhando firmemente para superar o inverno do ano que vem, estamos trabalhando todas as medidas de engenharia, todas sendo tomadas nesse sentido”, afirmou o governador. 

“Tivemos e ainda estamos tendo a maior seca dos últimos 84 anos. A maior seca tinha sido em 1953, tivemos neste ano metade das chuvas de 1953.” A obra de abastecimento de água do São Lourenço será feita por meio de Parceria Público-Privada (PPP). Segundo o Ministério das Cidades, o sistema será composto por uma captação da Represa Cachoeira do França, uma adutora de água bruta, dividida em dois trechos, e uma estação de tratamento de água (veja quadro ao lado). 

“Se a gente imaginar que 1 metro cúbico por segundo abastece 300 mil pessoas, vamos chegar a quase 2 milhões de pessoas com esse novo sistema”, comentou o governador, que prometeu entregar a obra até 2017. Segundo Alckmin, São Paulo tem enfrentado a crise hídrica com planejamento, obras e uso racional da água. “Nós tirávamos do Cantareira 33 metros cúbicos por segundo e fomos substituindo pelos outros sistemas da região metropolitana. Hoje, nós tiramos 18 metros cúbicos por segundo do Cantareira”, afirmou.

Ele destacou a implementação do bônus para os consumidores que economizarem água. “80% da população aderiu e nós tivemos uma economia importante”, disse o governador. 

Mais conteúdo sobre:
Crise da água Geraldo Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.