Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Alckmin defende ação policial na prisão de manifestantes

Governador declarou na Câmara dos Deputados que Secretaria de Segurança Pública do Estado irá prestar detalhes sobre caso

RICARDO DELLA COLETTA, O Estado de S. Paulo

05 Agosto 2014 | 12h42

BRASÍLIA - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta terça-feira, 5, que outros fatores levaram à prisão dos dois manifestantes, detidos em um ato contra a Copa do Mundo em 23 de junho, e não apenas a suspeita do porte de explosivos.

Nesta segunda-feira, 4, laudos do Instituto de Criminalística (IC) e do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) atestaram que os artefatos encontrados com o estudante Fabio Hideki Harano e com o professor de inglês Rafael Lusvarghi não eram explosivos. Ambos estão presos há mais de 40 dias acusados de porte de explosivos, associação criminosa e incitação à depredação do patrimônio público.

Na Câmara dos Deputados, em Brasília, Alckmin não comentou quais os fatores que, além da suspeita do porte de artefatos explosivos, levaram à detenção dos dois manifestantes. O governador afirmou ainda que a Secretaria de Segurança Pública do Estado vai prestar mais detalhes sobre o caso.

"Não é só isto (explosivos). Na razão da prisão há outros fatores que a polícia levanta", disse o governador. "Infelizmente vimos que manifestações legítimas que devem ser apoiadas e garantidas acabaram em muitos casos partindo para o vandalismo e para a depredação do patrimônio público e privado", disse o tucano.

Questionado pelo Broadcast Político se considerava que o Ministério Público deveria ter aguardado a conclusão dos laudos para oferecer a denúncia, Alckmin respondeu: "Devemos ouvir o Ministério Público e vamos aguardar que a Secretaria de Segurança Pública fale".

Em sabatina realizada pelo jornal O Estado de S. Paulo na tarde desta segunda-feira, 4, o governador de São Paulo negou que a polícia tivesse forjado provas, conforme alega a defesa de um dos manifestantes e entidades de defesa dos diretos humanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.