Alckmin critica resistência à PM na Cidade Universitária

Para o governador de São Paulo, associar o trabalho da segurança pública à repressão é algo que precisa ser ultrapassado

José Maria Tomazela, de O Estado de S. Paulo,

21 de maio de 2011 | 12h58

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) criticou neste sábado, 21, a resistência de parte do Conselho Gestor da Universidade de São Paulo (USP) à presença da Polícia Militar no interior da Cidade Universitária. "Isso é um resquício do período autoritário", disse.

 

Veja também:

som Reitor admite que guarda não garante segurança
video VÍDEO: Estudantes discutem falta de segurança
forum OPINE: A PM deve entrar no câmpus da USP?

 

Alckmin defendeu a ação da PM que, segundo ele, é necessária para oferecer segurança não só aos estudantes, mas também às pessoas que têm acesso ao campus. "É para proteger o cidadão e evitar o crime." Para o governador, associar o trabalho da segurança pública à repressão é algo que precisa ser ultrapassado. "Estamos vivendo outro momento", acentuou.

 

A falta de segurança no campus da USP passou a ser discutida depois do assassinato do estudante Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos, no último dia 18, supostamente numa tentativa de assalto num estacionamento do campus, no bairro do Butantã, zona oeste da capital. O governador confirmou que a Polícia Militar vai promover rondas e reforçar o policiamento na área.

 

Leia também:

linkDupla circulou 1 hora pela USP e abordou outro aluno
linkEstudante passou de estagiário a sócio de empresa


"A universidade tem autonomia, mas houve uma decisão do Conselho Gestor de solicitar o apoio da nossa polícia. Vamos colaborar com a segurança feita pela própria universidade e isso não vai tirar a liberdade do estudante." Ele disse que a forma de colaboração está sendo definida.

Mais conteúdo sobre:
USPPMGeraldo Alckminsegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.