André Lessa/AE
André Lessa/AE

Alckmin cobra recursos federais para ampliar o metrô de SP

Governador disse que espera recursos do PAC para levar metrô até ABC

Daiene Cardoso , Agência Estado

15 de setembro de 2011 | 12h56

SÃO PAULO - Dois dias após fechar parceria com o governo federal para a construção do trecho norte do Rodoanel e garantir recursos para a hidrovia Tietê-Paraná, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin cobrou nesta quinta-feira, 15, mais participação da União na ampliação da malha metroviária da região metropolitana. Durante inauguração da extensão da Linha 4 - Amarela, o governador disse que o Estado pleiteia recursos do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) para levar o metrô até o ABC paulista. "Nós estamos trabalhando para ter recursos do PAC e levar o metrô até São Bernardo do Campo", afirmou.

 

O objetivo do governo paulista é estender a malha metroviária da capital para os municípios da Grande São Paulo, entre eles Guarulhos e São Bernardo do Campo. Mesmo com o estreitamento das relações com a presidente Dilma Rousseff, Alckmin reclamou da ausência de recursos federais no projeto. "Não há nenhum centavo (do governo federal). Aqui tem financiamentos, recursos do tesouro paulista e da Parceria Público-Privada (PPP)", contou.

 

Nesta semana, Alckmin e Dilma trocaram elogios públicos durante assinatura do contrato para o início das obras do trecho norte do Rodoanel. Com um discurso conciliador, ambos defenderam o fim das divergências políticas e o trabalho em conjunto. O governo federal já liberou R$ 1,72 bilhão para o Rodoanel e R$ 1,5 bilhão para a hidrovia.

 

Lotação. Em meio à tumultuada inauguração das estações República e Luz da Linha 4 - Amarela, o governador anunciou os novos recordes de passageiros batidos na última semana: 2,5 milhões de usuários de trens da CPTM e 4,150 milhões de passageiros por dia no Metrô de São Paulo. "Vamos chegar rapidamente a 7 milhões (de passageiros)", comemorou Alckmin.

 

De acordo com Alckmin, a economia é um dos fatores que está levando mais passageiros a utilizar o transporte sob trilhos, uma vez que a cada usuário consegue economizar até R$ 64,00 por mês utilizando só metrô e trem. "A superlotação é uma realidade porque está mais barato (andar de metrô ou trem)", concluiu. "As pessoas estão pegando metrô ou trem porque é mais rápido, não tem congestionamento e não atrasa. Preferem ir mais apertadas para chegar em casa mais cedo. E o que motiva é a economia", emendou.

 

O governo estadual espera que a chegada da Linha 4 - Amarela às estações Luz (Linha 1 - Azul) e República (Linha 3 - Vermelha) desafogue em 20% o movimento da estação Sé, hoje uma das mais movimentadas do sistema por intercalar as linhas 1 e 3. No entanto, as duas estações da Linha 4 estarão operando em horário limitado: das 10h as 15h, de segunda-feira a sábado (incluindo feriados). A ampliação do horário de funcionamento deve acontecer até 30 de setembro.

 

No final da inauguração, um passageiro cobrou do secretário dos Transportes Metropolitanos Jurandir Fernandes mais estações do Metrô e menos superlotação."Talvez seja melhor não inaugurarmos mais metrô, aí não lota, é isso?", ironizou o secretário. O desempregado Nilson Bernardino da Silva, de 32 anos, reclamou da falta de transporte na região do Campo Limpo, zona sul, e das inaugurações de obras em ano eleitoral. "Então o ano que vem podemos pular porque é ano eleitoral, tá bom?", sugeriu o secretário.

 

Atualmente, o governo trabalha em obras de ampliação das linha 2,4 e 5 e prepara a construção de uma linha que leve o metrô até o aeroporto de Congonhas, na zona sul. São Paulo tem hoje 330 km de transporte sob trilhos, sendo só 73,6 km de metrô.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.