EFE
EFE

Alckmin autoriza a contratação de 20 caminhões-pipa para Itu

Contrato emergencial, no valor de R$ 2 milhões, tem duração de 30 dias e, segundo o governo, poderá ser prorrogado caso necessário

O Estado de S. Paulo

23 de outubro de 2014 | 15h24

Atualizada às 23h29

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), autorizou a Defesa Civil do Estado a contratar de forma emergencial 20 caminhões-pipa para distribuição de água à população de 154 mil habitantes de Itu. No valor de R$ 2 milhões, o serviço terá duração de 30 dias e, segundo o governo, poderá ser prorrogado, se houver necessidade. A cidade vive há oito meses sob racionamento, que tem causado uma onda de protesto.

A decisão foi tomada nesta quinta-feira, 23, após reunião entre o secretário da Casa Militar e coordenador estadual de Defesa Civil, coronel José Roberto de Oliveira, e o prefeito de Itu, Antonio Tuíze (PSD). Embora o abastecimento de água seja atribuição municipal, em Itu a cidade esteja sob responsabilidade de uma empresa privada - a Águas de Itu -, o governo paulista informou que é atribuição da Defesa Civil atuar nesse tipo de situação.


De acordo com a prefeitura, os caminhões da Defesa Civil, que prestarão serviços na próxima semana, vão se juntar a outros 40 caminhões já contratados pela Águas de Itu. “Eles vão aumentar a oferta de água em 600 mil litros para abastecer caixas d’água de residências não atingidas pela pressurização da rede durante o regime de racionamento”, informou a prefeitura, em nota. Os caminhões vão atender também escolas, creches, unidade de saúde e outros prédios públicos. 

A Defesa Civil também vai fornecer sete caixas flexíveis que serão espalhadas pela cidade. As caixas funcionarão como postos de distribuição de água. Elas terão capacidade para 37,5 mil litros de água - quatro delas de 6 mil litros e três de 4,5 mil litros.

As caixas se juntarão para formar três conjuntos de reservatórios que reforçarão o abastecimento com outros que estão espalhados em diversos bairros e nos quais as pessoas podem buscar água. 

Na quarta-feira, um reservatório de 20 mil litros, com torneiras, entrou em funcionamento na Praça 14 Bis, no Jardim Aeroporto, e nesta quinta entraram em operação outros dois reservatórios, um na Praça dos Exageros, com capacidade para armazenar 20 mil litros de água, e outro no Centro Administrativo do Pirapitingui, com capacidade para 70 mil litros. 

O governo estadual informou que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) enviou um engenheiro para dar consultoria aos técnicos da Águas de Itu. 

Osasco. Na Grande São Paulo, caminhões-pipa começaram a abastecer dez postos de saúde e 16 escolas de Osasco. “Esses são serviços públicos essenciais, que não podem parar”, disse o prefeito Jorge Lapas (PT). Ele disse que enviou dois ofícios, no dia 15, para Alckmin e para a Sabesp, solicitando esclarecimentos sobre os problemas, mas não obteve resposta. 

A Sabesp informou, em nota, que “o ofício não menciona falta de água em unidades básicas de saúde ou escolas”. Segundo a nota, a presidente da Sabesp, Dilma Pena, conversou com Lapas e voltou a se colocar à disposição para solucionar falhas. Desde o dia 13, a Sabesp enviou 18 caminhões para abastecer dez escolas, seis creches e duas unidades de saúde, “em função das altas temperaturas, que trouxeram explosão no consumo, e de dois problemas técnicos”. / LUCIANA COLLET, FABIO LEITE e CHICO SIQUEIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.