Alckmin anuncia trem expresso que ligará Jundiaí a São Paulo em 25 min

Trajeto é de cerca de 45 km de extensão; início das obras está previsto para o final de 2013

Marcela Bourroul Gonsalves, estadão.com.br

24 de agosto de 2011 | 15h54

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta quarta-feira, 24, a construção do Expresso Jundiaí, trem que ligará o município de Jundiaí à capital paulista. Ele terá cerca de 45 km de extensão e um tempo de percurso estimado em 25 minutos.

 

A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) deve concluir, até setembro, o projeto funcional. Ele dará as diretrizes de traçado, valores estimados para o empreendimento, a localização das estações, a inserção urbana da linha e avaliação ambiental preliminar. A iniciativa pode ser concretizada através de Parceria Público-Privada (PPP).

 

Se o cronograma for seguido, a previsão é que até novembro seja lançado o edital de licitação para contratar os projetos básico, executivo e de estudos ambientais. O início das obras está previsto para o final de 2013.

 

O governador afirmou que ainda não é possível definir a tarifa do serviço, mas que o Expresso Jundiaí deverá ser competitivo não somente do ponto de vista econômico, mas também por apresentar redução do tempo de viagem e maior segurança em relação aos carros e ônibus.

 

Aglomeração Urbana. Também nesta quarta, Alckmin sancionou o projeto de Lei Complementar que cria a Aglomeração Urbana de Jundiaí (AU). A iniciativa é pioneira no Estado e reúne os municípios de Cabreúva, Campo Limpo Paulista, Itupeva, Jarinu, Louveira, Várzea Paulista e Jundiaí, totalizando cerca de 700 mil habitantes.

 

Os prefeitos dos sete municípios integrantes da AU terão dois meses para criar o Conselho de Desenvolvimento. O órgão, formado pelas lideranças municipais e representantes do governo do Estado, é o responsável pela definição das prioridades e o uso das verbas estaduais e federais destinadas a projetos em comum.

 

Com a criação do AU da Região de Jundiaí, o governo do Estado passará à EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) a responsabilidade pelo gerenciamento e fiscalização das linhas de ônibus intermunicipais que operam entre os sete municípios. Atualmente, as linhas estão sob responsabilidade da Artesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo).

Mais conteúdo sobre:
transportes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.