Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Alckmin aceita usar transporte público para ir trabalhar

Governador se comprometeu em entrevista coletiva a utilizar metrô ou trens em compromissos oficiais externos na semana que vem

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2013 | 13h19

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) se comprometeu em uma coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira, 9, a usar o transporte público para trabalhar na semana que vem. O anúncio foi feito em um evento no Palácio dos Bandeirantes, na zona sul da capital, após a reportagem do Estado questionar se o tucano aceitaria usar o coletivo para trabalhar, como fez na semana passada o prefeito Fernando Haddad (PT). Como o político mora no palácio, poderá utilizar os transportes coletivos para ir a compromissos fora.

Alckmin disse que já costuma andar de metrô e trens. Isso, de fato, acontece, mas apenas em agendas oficiais de seu governo, quando ele, por exemplo, entrega novos trens para o sistema ou inaugura uma estação. Geralmente, essas cerimônias ocorrem fora dos horários de pico, quando a rede já não está superlotada - um cenário, portanto, bem mais confortável do que costumam enfrentar os passageiros nas horas do rush.

A administração do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) é do governo do Estado. No fim de setembro, o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, já havia aceitado um convite semelhante e "passeou" por um trecho da rede metroferroviária de São Paulo com o Estado.

Não foi informada a data exata em que Alckmin irá usar o transporte público na semana que vem. A reportagem do Estado perguntou à sua assessoria de imprensa, durante o evento nesta manhã, quando isso deverá ocorrer e qual será o percurso, mas ainda não obteve a resposta.

Leia a entrevista com o governador Geraldo Alckmin (PSDB):

Estado - Nas últimas semanas, o prefeito Fernando Haddad (PT) e o secretário (estadual de Transportes Metropolitanos), Jurandir Fernandes, utilizaram o transporte público. Muitos especialistas veem como uma quebra de paradigma os dirigentes usarem esse meio de transporte, para mostrar para a população que estão ligados ao problema. O senhor aceitaria andar de ônibus algum dia em São Paulo para mostrar que também tem essa disposição?

Alckmin - Claro, lógico.

Que dia?

Vamos marcar. Eu ando sempre de metrô. Estou sempre andando de metrô. O metrô vai chegar aqui do lado (do Palácio dos Bandeirantes). Nós vamos ter na Linha 4 (Amarela) a estação de metrô aqui na João Jorge Saad com a Francisco Morato. Eu tenho andado de metrô. E de ônibus, fiz uma coisa que pouca gente fez. Eu tomei o ônibus lá no Grajaú (na zona sul da capital), às 5h da madrugada, e vim até o centro da cidade.

Quando foi isso?

Quando eu fui candidato a prefeito de São Paulo.

Mas sem ser candidato, o senhor aceitaria vir trabalhar de ônibus, algum dia da semana que vem, por exemplo?

É que eu moro aqui do lado (no próprio Palácio), né? É só atravessar o corredor. Mas eu tenho usado o metrô e trem. Sempre que a gente está entregando as obras, a gente faz um circuito de metrô e trem.

Mas em agendas.

Não, mas a sua proposta é boa.

Então, o senhor aceitaria?

Eu aceito, vamos marcar.

Na semana que vem?

Pode ser.

Andar de ônibus ou metrô?

Metrô, que é do Estado. Metrô ou trem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.