AL: mais 8 moradores de rua mortos neste ano

Estado registrou 37 execuções e 2 tentativas em 2010; acredita-se na ação de um grupo de extermínio, a mando de comerciantes locais

Ricardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2011 | 00h00

Oito moradores de rua já foram mortos em Alagoas somente neste ano. A última vítima, possivelmente de grupos de extermínio, foi um homem conhecido apenas como Cabeludo. Ele foi encontrado morto, com ferimentos na cabeça e no corpo, na manhã de anteontem, na calçada da Rua Doutor Albino Magalhães, no bairro do Farol.

Quando chegaram ao local para realizar a perícia e recolher o corpo, os peritos do Instituto de Criminalística e do Instituto Médico-Legal Estácio de Lima (IML) se depararam com uma cena comovente. Um cão do tipo vira-lata insistia em não sair do local e não deixava ninguém se aproximar do corpo do dono. Além disso, tentava, em vão, reanimar a vítima.

A Polícia Civil de Alagoas ainda não tem informações sobre as causas e os autores do crime. Um outro morador de rua, que dormia no local do incidente, foi ouvido pelos policiais e disse que não viu nem ouviu quando seu colega foi assassinado. Cabeludo tinha ferimentos na região da cabeça, por causa de uma queda, além de perfurações no queixo e nas costas. Comerciantes da região são suspeitos de serem mandantes do crime.

Sem solução. No ano passado, a Polícia Civil de Alagoas registrou 37 mortes e duas tentativas de assassinato de moradores de rua no Estado. Neste ano, das oito vítimas, seis foram assassinadas na capital e duas no interior do Estado. Além de Cabeludo, foram executados, de janeiro para cá, Nataniel Iraquitan, Alexsandra Barbosa, Profeta, Estranho e outros três moradores de rua que nem sequer chegaram a ser identificados.

Na quarta-feira, a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL) enviou ofício ao diretor-geral de Polícia Civil de Alagoas, delegado Marcílio Barenco, pedindo a instauração de inquérito para apurar a morte de Estranho, executado a tiros na noite de terça-feira, no bairro da Levada.

Segundo o presidente da Comissão, advogado Gilberto Irineu, também foram solicitadas a Barenco informações sobre as mortes de outras seis pessoas apontadas como moradores de rua. "O objetivo da solicitação é saber se os crimes foram elucidados, se há investigação em andamento e se os inquéritos foram concluídos e remetidos à Justiça com autoria conhecida."

Militante dos direitos humanos, Gilberto Irineu é o coordenador do Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento das Políticas Públicas Municipais para a População em Situação de Rua, criado no ano passado pela prefeitura de Maceió. Para ele, além de punição para os assassinos, o poder público precisa ter políticas para moradores de rua. "Só pararemos de contabilizar essas mortes se tivermos ações concretas a serem implementadas com o intuito de reduzir o contingente de moradores de rua, oferecendo portas de saída dignas", justifica.

Plano. A ideia, segundo Irineu, é reunir em um só documento o Plano Bienal Intersetorial de Ações e Metas, projetos de vários órgãos municipais. "Ele será apresentado ao prefeito Cícero Almeida (PP), a quem caberá concretizar as ações e metas sugeridas pelo Comitê, que dessa forma cumpre a missão que lhe foi proposta", destacou, acrescentando que acolheu no texto sugestões de moradores de rua.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.