Air France: Airbus será processada por homicídio culposo

A Justiça da França anunciou ontem, em Paris, que vai abrir investigação oficial contra a Airbus, maior fabricante de aviões comerciais do mundo, por homicídio culposo (sem intenção) dos 228 passageiros e tripulantes do voo 447 da Air France. A decisão foi comunicada ao diretor-presidente da empresa e pode se estender à companhia aérea, cujos executivos foram convocados a comparecer à Justiça hoje.

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

18 Março 2011 | 00h00

Pelos trâmites da Justiça na França, a abertura oficial de investigação significa que os juízes de instrução do caso consideram que há elementos indicando possível responsabilidade em um crime. No caso do voo AF-447, desaparecido no Atlântico quando realizava a rota Rio-Paris, em 31 de maio de 2009, a Airbus é suspeita de ter negligenciado o risco de falhas nos sensores de velocidade das aeronaves, os tubos Pitot.

Segundo mensagens automáticas enviadas pelo aparelho antes da queda da aeronave, essas sondas apresentaram falha, o que em tese pode ter provocado o desligamento em cadeia de sistemas eletrônicos de navegação do Airbus, induzindo a tripulação a possíveis falhas de avaliação. Essa hipótese foi levantada nos primeiros dias após o acidente e é considerada pelo Escritório de Investigação e Análises (BEA), órgão responsável pela investigação, como uma das possíveis origens do acidente.

Pela mesma suposta negligência, a Air France deve se tornar objeto de investigação formal da Justiça a partir de hoje. A companhia não se manifestou.

Ontem, o diretor-presidente da Airbus, Thomas Enders, protestou contra a decisão da Justiça francesa. "Nós desaprovamos firmemente essa decisão, que julgamos prematura." Ele garantiu que a empresa continuará a "cooperar com a investigação e na realização da próxima fase de busca das caixas-pretas".

Sob a coordenação do BEA, as autoridades francesas realizarão nas próximas semanas uma quarta etapa de buscas em uma região de 10 mil km2 do Atlântico, que se estenderá até junho. O custo, de 9 milhões, será coberto pela Airbus e a Air France.

Na França e no Brasil, associações de famílias de vítimas demonstraram satisfação com a decisão preliminar da Justiça. Em Paris, Jean-Baptiste Audousset, porta-voz da associação Ajuda Mútua e Solidariedade AF-447, que representa famílias francesas, afirmou que a eventual inculpação por homicídio culposo abre uma nova etapa nas investigações. / COM AGÊNCIA FRANCE PRESSE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.