''Ainda por cima agora vem o Dia dos Pais''

Na terça-feira, o comerciante José Elias Moedim, de 57 anos, mandou um bilhete para o filho avisando-o de que havia sido negado seu pedido de liberdade. O preso é o ex-jogador de futebol Zé Elias, de 34 anos, detido desde o dia 21 no 33.º DP (Pirituba), na zona norte. Por ordem da Justiça, ele está proibido de conceder entrevistas.

Elvis Pereira, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2011 | 00h00

Zé Elias deverá sair de lá no dia 21 deste mês. É quando se encerra o período de prisão determinado pela Justiça como punição pela dívida de R$ 932 mil de pensão. Desempregado, ele alega não ter como pagar o que deve à ex-mulher, com quem teve dois filhos.

"Hoje tem essa repercussão porque é meu filho. Mas quantos não passam por isso?", questiona o pai do ex-jogador. "Sei que o Zé é um bom filho, um bom pai. É uma situação difícil. Você fica meio desestruturado, ainda por cima agora que vem o Dia dos Pais. Como vai ser isso?"

Moedim diz que o filho chegou a esse ponto por não ter sido ouvido antes pela Justiça. O problema teria se iniciado em 2006, quando Zé se separou da advogada Silva Regina Correa de Castro - procurada pela reportagem, ela não atendeu às ligações. Na época, o então jogador deixou o Santos, onde recebia R$ 85 mil por mês. Parte desse salário, R$ 25 mil, era destinado à pensão.

Ao sair do time santista, ele não teria mais pago os R$ 25 mil e encerrou a carreira em 2009. Neste mês, a Justiça reduziu a pensão para três salários mínimos (R$ 1.635). Em relação à dívida anterior, o pai não sabe como o filho pagará. "Não sei o que vai acontecer", diz Moedim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.