Ainda não há prazo para reabrir Imigrantes

Rodovia foi bloqueada anteontem, após deslizamento na entrada de túnel; Ecovias estuda bloquear o trânsito em dias de chuva forte

WILLIAM CARDOSO , CAIO DO VALLE, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2013 | 02h07

Até a tarde de ontem, não havia prazo para liberação da pista norte da Rodovia dos Imigrantes, sentido capital, fechada anteontem por um deslizamento de terra no km 52. O acidente matou Lilian Aparecida de Souza, uma moradora de São Paulo de 43 anos, arrastou 23 carros e uma carreta e levou pânico a motoristas.

Segundo o governador Geraldo Alckmin (PSDB), a pista só será liberada após vistoria do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). "É preciso verificar se houve danos em estruturas, pontes e túneis", disse, após visitar o local. "Será aberto o mais rápido possível, mas com segurança."

O diretor-superintendente da Ecovias, José Carlos Cassaniga, informou que a concessionária trabalha para liberar a pista ainda no fim de semana e que todas as vítimas serão indenizadas. Disse também que a Ecovias não tem plano de contingência para o tráfego em dias de chuva forte na Imigrantes, só de monitoramento. Mas a empresa estuda criar bloqueios. "Em casos extremos, pode ser viável fazer comboio ou coisa assim."

De acordo com ele, a Ecovias já sabia que chovia muito na serra desde as 15h de sexta, duas horas antes do acidente, mas a pista não foi fechada. Em 12h, caíram 183,4 milímetros de chuva na Serra do Mar - a média diária no mês é de 30 mm.

Outra solução estudada é fazer uma escada para escoamento da água sobre o Túnel TA 10/11, levando a enxurrada diretamente ao rio que corre sob a ponte na entrada do túnel. "Uma das conversas é essa", disse o secretário de Transportes, Saulo Abreu, lembrando que a Ecovias pode ser multada, caso seja constatada irregularidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.