Ai tatu, tatuzinho...

Testamento

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2012 | 03h06

Cesar Maia deixou para o filho Rodrigo Maia, candidato a prefeito no Rio, uma rejeição de 42% dos eleitores. Isso, sim, é uma herança maldita!

A vida como ela é

Parece coisa de Nelson Rodrigues a notícia da troca de gênero do elemento detido em surto pela Guarda Presidencial: "Homem que tentou invadir o Palácio do Planalto dizendo 'sou marido da Dilma Vana Rousseff' é mulher."

Pressão baixa

Desmaiar a caminho do restaurante costuma ser fome, mas no caso do piripaque de Michel Temer dia desses em Roma, pode muito bem ter sido um pico de saudades da Marcela.

Ei, juiz...!

Quando, afinal, o presidente do STF vai dar cartão amarelo aos ministros Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski no julgamento do Mensalão? Se ontem eles voltaram a se pegar no tribunal por causa de uma funcionária mequetrefe do Marcos Valério, imagina quando a bola dividida for o José Dirceu! A coisa pode fugir ao controle do Ayres Britto. Depois não digam que não avisei!

Em campanha

O Fantástico vai eleger no domingo o nome do tatu-bola escolhido para mascote oficial da Copa de 2014. Meu voto vai pra "Bola nas Costas"!

Assim mesmo

"TODO JOGADOR É PÉ INCHADO!"

Doutor Runco, médico do Flamengo, depois de reexaminar o tornozelo

esquerdo do Imperador Adriano

Se você está inscrito no site da Fifa para o trabalho voluntário na Copa de 2014 é bom ir aprendendo desde já a explicar em inglês do que é um tatu-bola. Saciar a curiosidade do estrangeiro sobre a mascote oficial da competição pode ser decisivo no processo de seleção de candidatos.

"É uma espécie de poodle brasileiro?" - perguntou Seedorf no treino do Botafogo depois de ver a imagem estilizada do animal nos jornais! O desenho patenteado na Suíça decerto não ajuda: onde já se viu tatu-bola extrovertido daquele jeito, caramba?!

Vai fazer um gringo entender que aquela figura simpática, meiga, fofa feito totó de vitrine de pet shop é, na verdade, um mamífero marrom de hábitos noturnos, língua longa e pegajosa, devorador de larvas de insetos, dono de unhas fortes para cavar tocas e de carapaça de couro para vestir em situações de risco de extinção.

Se for preciso desenhar para se fazer entender, recorra ao rótulo da cachaça Tatuzinho e, depois da quarta dose, ensine ao turista o jingle "Ai tatu, Tatuzinho, me abre a garrafa e me dá um pouquinho".

Nada como uma boa ressaca para fazer alguém de fora compreender melhor o Brasil!

Herança meio maldita

Supla está apavorado! Também, pudera! Imagina o que já tem de amigo chato pedindo "uma força" ao filho da nova ministra da Cultura! No mais, ele até gosta da herança da mãe!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.