Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Águia de Ouro leva ao Anhembi histórias de Ribeirão Preto

Escola da Pompeia volta à elite para disputar o título com enredo sobre cidade do interior de São Paulo

Leandro Calixto - Jornal da Tarde,

01 Fevereiro 2010 | 11h59

SÃO PAULO - Após desfilar no Grupo de Acesso em 2009, a Águia de Ouro volta ao carnaval de elite de São Paulo fortalecida e como uma das escolas credenciadas para a conquista do título. Quem garante é o presidente da agremiação do bairro da Pompeia, Sidnei Carriuolo. "Quando caímos para o segundo grupo, filtramos quem realmente era Águia de Ouro ou quem vinha em nossa quadra somente pelo oba-oba. O segundo grupo mostrou que nossa escola, fundada há mais de 30 anos, criou uma comunidade de verdade. Saímos do acesso mais fortes ainda. Quem for ao Sambódromo vai ver uma escola com samba pé no chão", diz o presidente da Águia.

 

Para tentar levantar a tão sonhada taça, a Águia irá levar para avenida a história de uma das cidades mais ricas e importantes do interior do Estado: Ribeirão Preto. "É uma cidade com uma história riquíssima. Sabia que daria um belo enredo, mas também estamos contando com um apoio financeiro de empresários da região", admitiu o presidente.

 

O carnaval da Águia está orçado em quase R$ 2 milhões. Deste montante, o presidente diz que 25% vieram de empresários da cidade homenageada. "A população está envolvida com nosso carnaval. Eles estão orgulhosos em saber que terão a sua história imortalizada na avenida."

 

LENDA

 

A Águia vai desfilar com 3,8 mil componentes, divididos em 30 alas e cinco carros alegóricos. O abre-alas vai retratar a lenda africana de Oxum. Segundo os mais velhos, a deusa do ouro das águas doces teria se apaixonado por Oxóssi, deus da mata. Desse romance, teria surgido uma enorme cratera, formando-se uma terra fértil e abençoada, onde atualmente fica Ribeirão Preto.

 

O segundo carro vai ser uma réplica dos principais pontos turísticos de Paris. É uma homenagem da escola ao aviador Santos Dumont, que viveu na cidade. Os imigrantes africanos, italianos e japoneses serão lembrados no terceiro carro. Foram eles que ajudaram desenvolver a cidade. O Teatro Dom Pedro II, grande motivo de orgulho da população de Ribeirão, será retratado no quarto carro, enquanto no último a escola vem com alegoria com uma concepção futurista, representando o agronegócio e metanol, principais atividades econômicas de Ribeirão Preto.

 

"Esse carnaval vai ser uma prova de fogo para mim. É a primeira vez que venho assinando um desfile, depois de mais de duas décadas atuando como assistente em outras escolas", diz um dos três carnavalescos da Águia de Ouro, o carioca Sérgio Caputo, o Gall. Ele garante que trabalhar em grupo é bom, mas é preciso existir uma afinidade entre a equipe. "Mas felizmente isso acontece na Águia de Ouro. Esperamos que o trabalho seja coroado com o título", completa Gall, que tem como parceiros os carnavalescos Beth Trindade e Tito Arantes.

 

BATERIA NO ABRE ALAS

 

Como acontece nos últimos anos, uma das atrações do desfile da Águia de Ouro vai ser a bateria do mestre Juca. Os quase 300 ritmistas virão entre a comissão de frente e o carro abre-alas. "A bateria vir na frente da escola se tornou uma marca da Águia. Isso ninguém vai poder tirar mais da gente", diz, orgulhoso, o presidente Sidnei Carriuolo.

 

A bateria do mestre Juca foi uma das que inovou no quesito coreografia no carnaval de São Paulo. Todo os anos, os ritmistas apresentam uma surpresa para o público que vai ao Sambódromo do Anhembi.

Mais conteúdo sobre:
carnaval 2010 Água de Ouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.