Águas destruíram parte de hospital

Funcionário do principal hospital particular de Nova Friburgo, Gustavo Charret Corrêa, de 26 anos, estava de plantão na madrugada de quarta-feira. Às 2h15, ele telefonou para a família para avisar que logo estaria em casa. Pouco antes, a chuva havia levado um prédio e duas casas no centro. Não voltou mais - 40 minutos depois, um deslizamento de terra nos fundos do Hospital São Lucas destruiu a farmácia onde ele trabalhava.

FELIPE WERNECK, O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2011 | 00h00

Ontem, enfermeiras ainda tiravam lama das macas. O hospital tem 78 leitos e 25 estavam ocupados. O deslizamento também destruiu uma capela e parte da lavanderia. Os pacientes foram transferidos para o hospital municipal, onde o atendimento já ocorria de maneira precária. Os enfermeiros e médicos da unidade particular também foram levados para ajudar no atendimento.

A enxurrada foi tão forte que um cilindro de oxigênio atravessou a estrada que fica na frente do hospital e foi parar em uma ribanceira. Até o fim da manhã de ontem, bombeiros não haviam chegado para resgatar o corpo de Corrêa, soterrado sob uma montanha de pedras e lama. "Ninguém fez nada até agora para tirá-lo de lá. Estamos tentando pedir apoio, mas entendemos que a cidade está arrasada", disse o tio de Corrêa, o comerciante José Carlos Charret. "Tem muita coisa em cima dele. Gritamos a noite inteira e ele não respondeu, mas a gente acredita em Deus."

O diretor médico do São Lucas, Jesuíno Cunha, também disse que dependia dos bombeiros para reabrir o hospital, que funcionava havia 28 anos naquele endereço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.