HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

Água sobe mais que inflação em região de crise hídrica em SP

Dos 58 municípios afetados pela crise nas bacias do Piracicaba, Capivari e Jundiaí, 25 já reajustaram as tarifas de saneamento

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

19 Maio 2015 | 18h03

SOROCABA - Depois de sofrer com a falta de água nas torneiras em 2014, moradores de cidades das regiões de Campinas, Piracicaba e Sorocaba agora recebem contas com reajustes acima da inflação. Dos 58 municípios afetados pela crise hídrica nas bacias do Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), 25 já reajustaram as tarifas de saneamento e em 20 o aumento ultrapassa a inflação dos últimos 12 meses, de 8,34%, segundo o IBGE.

Em Itu, região de Sorocaba, a prefeitura entrou com ação civil pública na segunda-feira, 18, contra o aumento de 33% nas contas de água que está sendo cobrado desde março pela concessionária Águas de Itu. A cidade ficou sem água nas torneiras em 2014 - foram dez meses de racionamento drástico. A prefeitura quer que seja respeitado o reajuste de 4,42% fixado por decreto do prefeito Antonio Tuíze (PSD) em abril.


A empresa alega que a cobrança foi autorizada por uma liminar judicial e que o reajuste maior visa à reposição de perdas durante a crise hídrica, já que no ano passado, com o racionamento em vigor, não houve aumento de tarifa. A prefeitura pede ainda que o valor cobrado a mais seja devolvido a quem já pagou. A Justiça ainda não julgou o caso.

Em Piracicaba, quem já recebeu a conta com reajuste de 9,12% em março, pode ser surpreendido com um novo aumento. O serviço municipal de água encaminhou à Agência Reguladora de Saneamento das Bacias do Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Ares-PCJ) um novo pedido de reajuste para compensar a elevação na tarifa de energia elétrica. A previsão é de que o segundo aumento ocorra no segundo semestre.

Os moradores de Rio Claro também podem arcar com novo aumento, além dos 13,95% já concedidos em fevereiro. O departamento de água do município alegou a necessidade de repor aumento de custos como energia elétrica e produtos químicos em maior quantidade aplicados à água na crise hídrica. 

Em Limeira, foi autorizado um aumento de 20,27% também para recompor o equilíbrio do contrato, já que houve elevação de custos acima da inflação. O reajuste estará valendo nas contas de junho. 

A empresa de saneamento de Campinas conseguiu autorização da Ares-PCJ para elevar em 11,98% a tarifa de água. O reajuste, em vigor deste fevereiro, foi alvo de representação ao Ministério Público Estadual, que ainda avalia o caso. Vinhedo teve reajuste de 10,72% autorizado em março e Capivari ficou com 8,50%. Entre as cidades com menor índice de reajuste estão Nova Odessa (3,46%), Araras (6,68%) e Amparo (7,68%).

Nos municípios da região abastecidos pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o aumento de 15,24% entra em vigor dia 4 de junho. O reajuste definido pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia (Arsesp) foi menor que o pretendido pela Sabesp, de 22,7%. Os moradores de Hortolândia, Itatiba, Paulínia, Monte Mor e Morungaba já tiveram um reajuste de 6,5% no final do ano passado. A Sabesp alegou a necessidade de recompor o equilíbrio financeiro em razão do maior custo para manter as cidades abastecidas durante a crise hídrica.

Mais conteúdo sobre:
Crise da águaPCJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.