Água era encontrada em bicas e chafarizes

O abastecimento de água para os 20 mil habitantes de São Paulo no início do século 19 era feito de modo precário, por carroceiros que a vendiam de porta em porta ou com bicas e chafarizes espalhados em pontos estratégicos.

O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2013 | 02h00

O primeiro chafariz público foi construído pelos frades franciscanos em 1744, onde hoje fica a Rua Santo Amaro. O mais famoso era o do Piques (foto), na Ladeira da Memória, no centro. A água, porém, nem sempre chegava às torneiras.

"Hoje, a falta d'água nos chafarizes construídos à custa da população aumenta a despesa particular e pública", denunciou o Estado em 1875.

Para suprir a deficiência, foi criada em 1877 a Companhia Cantareira de Esgotos, que construiu o Reservatório da Consolação em 1881. No dia 29 de setembro daquele ano, 25 mil m³ de água da Serra da Cantareira, dos Rios Cabuçu e Cotia, começaram a chegar ao reservatório. Um ano depois, 113 imóveis recebiam água dele, além de chafarizes como os do Largo 7 de Abril (atual Praça da República), do Pelourinho (Largo 7 de Setembro) e do Campo da Luz (Avenida Tiradentes). / ROSE SACONI

História: Outra opção antes de SP ter abastecimento encanado, a partir de 1881, era comprar de carroceiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.