'Agressão a Podval não deve anular júri'

'Agressão a Podval não deve anular júri'

Análise:

Luiz Flávio Gomes, O Estadao de S.Paulo

25 Março 2010 | 00h00

Testemunhei a agressão sofrida pelo criminalista Roberto Podval ontem e fiquei horrorizado. O povo parece gostar de vingança, um dos instintos mais naturais do ser humano, e, quando o advogado cumpre seu papel na defesa dos réus, infelizmente é incompreendido. O povo vê nele o demônio. Não creio, entretanto, que esse fato lamentável contamine os jurados e se transforme em causa de nulidade do julgamento do casal, pois o júri não tomou conhecimento do fato porque está isolado. Trata-se de um incidente externo ao plenário, que pode, porém, desestabilizar a defesa, afetando o desempenho de Podval.

Dentro do tribunal, o depoimento da perita criminal Rosângela Monteiro fez a balança pender para a acusação. Quanto mais sólidas eram suas explicações, menores ficavam as possíveis falhas técnicas que a defesa procurava explorar.

LUIZ FLÁVIO GOMES É JUIZ APOSENTADO E PROFESSOR DE DIREITO PENAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.