Agora, até prima pode ser 'barriga de aluguel'

Como forma de compensar o impacto da restrição da idade para a fertilização assistida, o Conselho Federal de Medicina (CFM) decidiu ampliar de forma considerável o espectro de pessoas que podem fazer o empréstimo temporário do útero, como "barriga de aluguel", para parentes.

Ocimara Balmant, O Estado de S.Paulo

09 Maio 2013 | 02h01

"É realmente um avanço, porque amplia muito as chances daquelas mulheres que tiveram de subtrair o útero. Até agora, elas tinham poucas pessoas com quem contar para essa parceria", diz o médico Joji Ueno, doutor em Ginecologia pela Faculdade de Medicina da USP e membro do Instituto de Ensino e Pesquisa em Medicina Reprodutiva de São Paulo.

Pela regra atual, parentes de primeiro e segundo graus podem "emprestar" o útero - o que corresponde a mãe, irmã e avó. Com as mudanças anunciadas, familiares de terceiro e quarto graus também entram na lista: tias, primas e sobrinhas de um dos parceiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.