Agentes da GCM protestam mais uma vez em frente à Prefeitura

Categoria reinvindica melhoria salarial e de condições de trabalho; secretaria quer acabar com greve na Justiça

26 de agosto de 2009 | 14h51

 

Foto: Sérgio Castro/AE

 

SÃO PAULO - Agentes da Guarda Civil Metropolitana (GCM) protestavam nesta quarta-feira, 26, mais uma vez em frente à Prefeitura, no centro da capital paulista. Esta é a primeira vez que a categoria entra em greve desde que foi criada, em 1986. Segundo o Sindicato dos Guardas Civis Metropolitanos da Cidade de São Paulo (Sindguardas-SP), entre as reinvindicações exigidas estão a reposição de perdas salariais, aumento em 140% das gratificações e melhoria nas condições de trabalho.

 

Veja também:

linkSindicato afirma que há 70% de adesão à greve da GCM

 

Enquanto os manifestantes faziam o protesto no Viaduto do Chá, o prefeitto Gilberto Kassab cumpria a agenda dentro da Prefeitura. Em nota, na terça-feira, a Secretaria de Segurança Urbana informou que serão tomadas as medidas previstas na legislação para que os serviços da GCM sejam mantidos. "A Procuradoria do Município já solicitou à Justiça a decretação da ilegalidade da greve, como determina a legislação", avisa o comunicado.

 

Foto: Sérgio Castro/AE

 

Segundo a pasta, devido à baixa adesão ao movimento, os principais serviços da GCM funcionaram na terça. No entanto, camelôs sem a autorização da Prefeitura para trabalhar nas ruas tiveram um dia tranquilo. Na Rua 12 de Outubro, na Lapa, os fiscais da administração municipal passaram o dia com as mãos no bolso e batendo papo. O veículo para carregar as mercadorias apreendidas permanecia vazio até as 17h30.

 

Foto: Sérgio Castro/AE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.