Agentes da CET doam sangue para faltar ao trabalho

Protesto é para reivindicar aumento salarial; maior parte da faixa reversível Radial Leste não foi montada na manhã desta sexta-feira, 10

Felipe Tau,

10 Agosto 2012 | 11h16

São Paulo, 10 - Em protesto por aumento salarial, os funcionários da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) resolveram doar sangue para faltar ao trabalho nesta sexta-feira, 10.  Ao doar sangue, eles garantem dispensa do dia de trabalho sem corte do salário.

Por causa do ato, a maior parte da faixa reversível Radial Leste não foi montada na manhã desta sexta-feira, 10, e os motoristas chegaram a enfrentar 12,7 km de congestionamento na avenida, no sentido centro, às 8h15. Às 9h a cidade atingiu o pico de 117 quilômetros de lentidão, acima da média para o dia e para o horário. Às 11h, o tráfego ainda estava mais intenso que o normal, com 100 quilômetros de filas.

O ato precede uma greve marcada para começar no dia 4 de setembro e foi feito para pressionar a Prefeitura a ceder ao pedido dos marronzinhos. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores no Sistema de Operação de Tráfego do Estado de São Paulo (Sindviários), a categoria quer aumento de 12%, mas a Prefeitura teria oferecido 4,14% na última negociação, no começo de julho. A CET não confirmou os valores.

Segundo o presidente do Sindviários, Reno Ale, 320 dos 460 agentes de rua do turno das 5h faltaram ao serviço nesta sexta - 70% do efetivo. O dirigente explicou que os funcionários entram em contato com a central sempre que saem às ruas para começar o expediente, abrindo um talão, maneira pela qual é possível constatar o número de ausentes.

Parte dos funcionários está no hemocentro do Hospital das Clínicas e, segundo Reno Ale, devem permanecer por lá até as 14h. A doação de sangue, de acordo com o dirigente, foi escolhida por seu valor simbólico. "Queremos mostrar para a população que damos não só nosso suor todos os dias, como estamos dando o nosso sangue também", afirmou "A data-base (1º maio de maio) já passou e não tivemos nenhum reajuste". Pelas leis trabalhistas, o funcionário que doa sangue tem dispensa e não pode ter o dia descontado.

Quanto a falta da faixa reversível na Radial, Reno Ale negou tenha sido um boicote e afirmou que ela não foi inteiramente montada porque não havia efetivo suficientes no momento. "Tanto que um trecho de 1,5 quilômetro foi aberto, a partir da Vinte de Três de Maio", disse. A faixa tem um total de 10 km, explicou o sindicalista, entre a Avenida Aricanduva e a aproximação com a Vinte e Três de Maio.

Em nota, a CET afirmou, sem dar detalhes, que montou uma operação especial para garantir a normalidade do trânsito. "Devido a paralisação de alguns funcionários no turno da madrugada tivemos pequenos problemas na operação de trânsito no início da manhã. Mas a situação está normalizada", afirmou.

No comunicado, a companhia se diz surpresa com a atitude dos funcionários. "Causa estranheza este movimento de greve acontecer em meio à negociação de reajuste salarial que vem ocorrendo entre o sindicato e a empresa. Vale ressaltar que os agentes de trânsito receberam nos últimos sete anos reajustes superiores à inflação do período medida pelo IPC / FIPE."

O Sindviários afirma que a CET tem 4,3 mil funcionários, metade deles agentes de rua, mas não tem previsão de quantos irão aderir à greve prevista para o dia 4.

Mais conteúdo sobre:
CETtrânsito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.