JOSE PATRICIO/ESTADAO
JOSE PATRICIO/ESTADAO

Agente da CPTM é preso acusado de abuso sexual dentro do trem

Funcionário - que apanhou das testemunhas após o assédio - foi demitido horas após prisão; caso semelhante foi registrado no Metrô

O Estado de S. Paulo

15 de setembro de 2015 | 18h04

Atualizada às 20h35

SÃO PAULO - Dois casos de assédio aconteceram nos trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e do Metrô nesta segunda-feira, 14, e terça, 15. Os dois molestadores foram agredidos por demais passageiros, indignados com a situação. Um dos acusados está preso e é agente da CPTM.

O caso da CPTM foi registrado na manhã desta terça, na Linha 11-Coral. Relatos de testemunhas foram publicados em tempo real, nas redes sociais. O homem acusado de assédio apanhou e foi atirado para fora do trem na Estação Tatuapé, na zona leste de São Paulo. As agressões continuaram e foi necessária a intervenção da equipe de segurança da companhia. O caso foi registrado na Delegacia de Defesa da Mulher, onde, até o início da noite desta terça, o acusado ainda estava detido. 

Segundo a CPTM, o funcionário foi identificado e demitido, por mau procedimento, de acordo com legislação trabalhista.

Na segunda-feira, uma situação semelhante aconteceu na Estação Sé do Metrô. Ali, o acusado de assédio foi chutado e levou rasteiras de outros passageiros, como revide por seu ato. Procurado, o Metrô afirmou que não foi registrada ocorrência nesta segunda, mas que na manhã desta terça-feira uma passageira acionou agentes de segurança na Estação Liberdade relatando que um senhor estava fazendo gestos obscenos dentro de um trem. "Com a descrição feita pela usuária, o Centro de Controle da Segurança foi imediatamente acionado para tentar localizar o agressor. A usuária foi encaminhada pela equipe de seguranças até a Delpom, onde o boletim de ocorrência foi registrado." O Metrô destaca que abuso sexual é crime e deve ser combatido dentro e fora do transporte público. O SMS-Denúncia do Metrô é 97333-2252. 

CPTM. Em nota enviada à imprensa, a CPTM ressaltou, assim como o Metrô, que "repudia o abuso sexual, crime que deve ser combatido dentro e fora do transporte público". A empresa destacou que "faz campanhas de cidadania com veiculação nas redes sociais e com mensagens sonoras nos trens e estações". 

"As estratégias de segurança contam com rondas de agentes uniformizados e à paisana e com o uso de mais de 5 mil câmeras de vigilância em trens e estações de toda a rede", prossegue o texto. "Em casos de ocorrência, a usuária importunada deve informar o fato imediatamente a um funcionário, apontando o autor e registrar queixa na Delegacia de Polícia. De acordo com a legislação vigente, essa é a única forma de obter êxito na ação, visto que , para a prisão do assediador, é exigido flagrante e testemunha. Os usuários podem colaborar com a segurança do sistema, denunciando eventuais irregularidades pelo serviço de SMS-Denúncia (97150-4949)."

Tudo o que sabemos sobre:
Abuso sexualCPTMMetrôAssédio sexual

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.