Denis Cappellin/Flickr
Denis Cappellin/Flickr

Agência diz que Sabesp está mais vulnerável à continuidade da seca

Segundo Moody's, população de São Paulo cresceu rápido, mas investimento em infraestrutura não acompanhou o crescimento

O Estado de S. Paulo

04 de setembro de 2015 | 03h00

A agência de classificação de risco Moody's avalia que o perfil de crédito da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) está mais vulnerável a uma potencial continuidade da seca do que o Departamento de Água e Energia de Los Angeles (LADWP, na sigla em inglês), empresa que também enfrenta dificuldades em função da escassez hídrica.

Em relatório assinado pelos analistas Paco Debonnaire e Michael Wertz, a Moody's compara a seca em São Paulo e na cidade de Los Angeles, bem como o posicionamento da Sabesp e LADWP para enfrentar as dificuldades. O documento afirma que, embora as duas regiões estejam enfrentando um cenário de escassez hídrica que já dura mais de um ano, Los Angeles está melhor posicionada para enfrentar a seca em função de uma combinação de fatores que incluem melhor planejamento de infraestrutura, esforços de conservação e autoridade para definir aumentos de tarifa. Segundo a agência, as ineficiências nessas frentes pressionam o rating de crédito da Sabesp.

Segundo a Moody's, a população de São Paulo cresceu muito mais rápido do que a de Los Angeles, mas o investimento em infraestrutura não acompanhou o crescimento, deixando o Estado sem condições de aumentar a capacidade de armazenamento de água. A agência destaca que, como consequência, o LADWP tem 18 meses de água armazenada, ante aproximadamente cinco meses da Sabesp.

O relatório diz que a adoção de um programa de 12 anos, por parte da Sabesp, para reduzir perdas de água está sendo freado pela estabilidade financeira da empresa, enquanto o LADWP aumentou a eficiência do sistema de transporte, reduzindo vazamentos.

Em relação às tarifas, os analistas destacam que a empresa norte-americana possui mais espaço no processo de definição de taxas que a Sabesp, o que aumenta a estabilidade fiscal da companhia e permite a adoção de estratégias mais agressivas de conservação de água. A Moody's atribui à Sabesp rating Ba1, com perspectiva negativa. O LADWP, por sua vez, possui classificação Aa2, com perspectiva estável.

A Sabesp se manifestou sobre o relatório com a seguinte nota: "O relatório da agência de crédito Moody’s elogia o desempenho da empresa de água de Los Angeles no enfrentamento de severa seca, análoga à que acomete São Paulo. De fato, lá o consumo per capita foi reduzido de 800 para 400 litros/habitante/dia. Todavia, a principal economia foi no uso da água para irrigação de gramados. O caso de São Paulo é ainda mais impressionante. Aqui, graças à consciência da população, foi possível reduzir o consumo per capita de 170 para 114 litros/habitante/dia, quantidade muito próxima à recomendada pela ONU (110 litros/habitante/ dia). Além disso, o relatório da Moody’s elogia a solução para reduzir a perda por evaporação (lançamento de bolinhas negras na superfície dos reservatórios de água tratada). Novamente, medida criativa, mas que não se aplica a São Paulo porque aqui só utilizamos tanques cobertos para armazenamento de água potável". / VICTOR AGUIAR


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.