Aeroportuários fazem manifestação contra a privatização em SP

Manifestação pacífica no Aeroporto de Cumbica deve se repetir no saguão de outros aeroportos pelo País

João Paulo Carvalho ,

06 Julho 2011 | 11h28

SÃO PAULO - Terminou às 11h a assembleia realizada pelo Sindicato Nacional dos Aeroportuários nesta quarta-feira, 6, no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Os manifestantes são contra a proposta da presidente Dilma Rousseff de realizar privatizações no setor aéreo.

 

Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Aeroportuários, Francisco Lemos, entre 100 e 200 funcionários dos setores de manutenção, administração e operação do aeroporto participaram da assembleia, por volta das 9h, para discutir a privatização de aeroportos brasileiros e também o aumento das bases salariais da categoria.

 

O ato também deve acontecer nos aeroportos de Viracopos (SP), Tom Jobim(RJ), Confins (MG) e Juscelino Kubitschek (DF). As manifestações fazem parte do Dia Nacional de Mobilização, realizada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT).

 

De acordo com Francisco Lemos, as operações dos voos não foram prejudicadas. "Em nenhum momento houve impedimento e ação do sindicato em interferir nas operações do aeroporto. Houve apenas um barulho bastante intenso, que envolveu apitos e panelas", declarou o presidente.

 

Para Francisco, os sindicalistas não são totalmente contra as privatizações, mas aos modelos de contratos elaborados pela presidente Dilma Rousseff. "Queria deixar claro que não somos contra as parcerias. Apenas reivindicamos um modelo de contrato que favoreça a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Não podemos deixar que as empresas estrangeiras privadas sejam majoritárias, mas sim minoritárias nesses contratos", enfatizou.

 

Segundo Francisco, outra assembleia será realizada no próximo dia 20 de julho, dessa vez com a participação da Infraero, para discutir o assunto e também o aumento de salário da categoria.

 

Dia Nacional de Mobilização. Além do ato nos aeroportos, haverá mobilizações em todos os Estados nesta quarta-feira, incluindo assembleias em porta de fábrica, marchas, panfletagens a paralisações. Na pauta de reivindicações estão a implementação do plano nacional de Educação com investimento no setor de 10% do PIB e de 50% dos recursos do pré-sal, redução da jornada de trabalho, fim do fator previdenciário e mudança da estrutura sindical do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.